Posts recentes

Será A Lua A Criação De Uma Inteligência Alienígena?

Lua_e_Terra

Embora as pessoas há muito tempo começaram a se perguntar se os “canais” em Marte fossem frutos da criação de engenheiros cósmicos, por algum motivo estranho, não ocorreu para as pessoas olharem com os mesmos olhos para as peculiaridades da paisagem lunar mais de perto.

E todos os argumentos sobre as possibilidades da existência de vida inteligente em outros corpos celestes foram confinados à ideia de que outras civilizações devem viver necessariamente na superfície de um planeta e, que o interior como um habitat está fora de questão.

Deixando de lado os caminhos tradicionais do “senso comum”, mergulhamos naquilo que, à primeira vista parece ser fantasia desenfreada e irresponsável. Mas quanto mais minuciosamente entramos em toda a informação recolhida pelo homem sobre a Lua, mais estamos convencidos de que não há um único fato para descartar a nossa suposição.

Não somente isso, mas muitas coisas até agora consideradas enigmas lunares são explicáveis à luz desta nova hipótese.

luna06_01

UM SATÉLITE ARTIFICIAL DA TERRA?

A origem da Lua é um dos problemas mais complicados da cosmogonia. Até agora, existem basicamente três hipóteses em discussão.

HIPÓTESE I: A Lua era uma vez parte da Terra e depois separou-se dela. Esta hipótese já foi refutada com base em evidências.

HIPÓTESE II: A Lua foi formada de forma independente a partir da mesma nuvem de poeira e gás como a Terra e, imediatamente tornou-se no satélite natural da Terra.

Mas então por que é que existe uma grande diferença entre a gravidade específica da Lua (3,33 gramas por centímetro cúbico) e a da Terra (5,5 gr.)? Além disso, de acordo com as últimas informações (análise de amostras trazidas pelos astronautas do Apollo dos EUA) a rocha lunar não é da mesma composição que a da Terra.

HIPÓTESE III: A Lua surgiu separadamente e, além disso, longe da Terra (talvez até mesmo fora do sistema Solar).

Isto significaria que a lua não teria que ser formada a partir do mesmo “barro” que o nosso próprio planeta. Navegando através do Universo, a Lua entrou em proximidade da Terra e, por uma complexa interacção de força de gravidade foi trazida dentro de uma órbita geocêntrica, muito perto de circular. Mas uma captura deste tipo é praticamente impossível.

Na verdade, os cientistas que estudam a origem do Universo hoje não têm nenhuma teoria aceitável para explicar como surgiu o sistema Terra-Lua.

A NOSSA HIPÓTESE: A Lua é um satélite artificial da Terra colocado em órbita ao redor da Terra por alguns seres inteligentes que nós desconhecemos.

Recusamos a nos envolver em especulações sobre quem exactamente encenou esta experiência única, que apenas uma civilização altamente desenvolvida seria capaz.

UMA ARCA DE NOÉ?

“Se estiveres para lançar um satélite artificial, é aconselhável que seja oco.

Ao mesmo tempo, seria ingénuo imaginar que alguém capaz de tal tremendo projecto espacial estaria satisfeito simplesmente com algum tipo de baú vazio gigante arremessado para uma trajectória próxima da Terra.

“É mais provável que o que temos aqui seja uma nave espacial muito antiga, do qual o interior foi preenchido com combustível para os motores, materiais e aparelhos para os trabalhos de reparação e instrumentos, equipamentos de observação e todos os tipos de máquinas… Em outras palavras, tem tudo o que é necessário para permitir que esta “Caravela do Universo” sirva como a Arca de inteligência de Noé, talvez até mesmo como a casa de toda uma civilização que prevê uma prolongada ou milhões de anos de existência e, que vagueia pelo espaço milhões de quilómetros.

Naturalmente o revestimento de tal nave espacial deve ser super resistente para resistir aos golpes – dos meteoros e das acentuadas flutuações entre o calor e frio extremo.

Provavelmente, a estrutura é de uma camada dupla – sendo a base de uma blindagem densa de cerca de 20 quilómetros de espessura e, por fora algum tipo de revestimento menos compacto (a camada mais fina – uma média de cerca de cinco quilómetros). Em certas áreas, onde os “mares” lunares e as “crateras” estão, a camada superior é muito fina e em alguns casos, inexistente.

Visto que o diâmetro da Lua é 2.162 quilómetros, então, olhando a partir do nosso ponto de vista, ela é uma esfera de paredes finas e, compreensivelmente, não uma esfera vazia. Poderiam existir todos os tipos de materiais e equipamentos na sua superfície interna. Mas a maior parte da massa lunar está concentrada na parte central da esfera, ou seja, no seu núcleo, que tem um diâmetro de 2.062 quilómetros.

Assim, a distância entre o núcleo e o revestimento ronda os 30 quilómetros. Este espaço foi sem dúvida preenchido com gases necessários para respirar, para fins tecnológicos e muitos outros.

Com tal estrutura interna, a lua poderia ter uma gravidade específica média de 3,3 gramas por centímetro cúbico, que difere consideravelmente da terra (5,5 gramas por centímetro cúbico).

UMA NAVE DE GUERRA QUE ELES NÃO CONSEGUIRAM TORPEDEAR?

As formações mais numerosas e interessantes sobre a superfície lunar são as crateras, as quais variam consideravelmente em diâmetro. Algumas têm menos de um metro, enquanto outras têm mais de 120 quilómetros (a maior tem um diâmetro de 148 quilómetros).

Como é que a Lua ficou tão esburacada?

Existem duas hipóteses – a vulcânica e a meteórica. A maioria dos cientistas vota na última.

Kirill Stanyukovich, um físico Soviético, escreveu uma série de obras desde 1937, no qual ele expõe a ideia de que as crateras são o resultado de bombardeamento da Lua há milhões de anos. E ele realmente dá ênfase na palavra bombardeamento, até mesmo para o mais pequeno corpo celeste, quando está envolvido numa dessas rápidas colisões frontais tão comuns no cosmos que esta se comporta como uma ogiva carregada com dinamite, ou até mesmo às vezes uma ogiva atómica.

A combustão instantânea é produzida no impacto, transformando-a numa densa nuvem de gás incandescente, em plasma e, há uma explosão muito definida.

De acordo com o Professor Stanyukovich, um “míssil” de tamanho considerável (digamos 6 milhas de diâmetro) deve, em caso de colisão com a Lua, penetrar a uma profundidade igual a 4 ou 5 vezes o seu próprio diâmetro (24-30 milhas).

A coisa surpreendente é que no entanto, grandes meteoritos podem possivelmente ter caído na Lua (alguns tinham mais de 60 quilómetros de diâmetro) e, por mais rápido que eles possam ter viajado (em alguns casos, a velocidade combinada foi tanta quanto 38 quilómetros por segundo), as crateras que deixaram para trás são alguns dos motivos estranhos sobre a mesma profundidade, 1,2-2 quilómetros, embora elas variam enormemente em diâmetro.

Considere essa cratera de 148 quilómetros de diâmetro, com uma área que supera Hiroshima centenas de vezes.

Quão poderosa deve ter sido a explosão para enviar milhões de toneladas de rocha lunar voando ao longo de dezenas de quilómetros! À primeira vista, seria de esperar que se encontrasse uma cratera muito profunda, mas não foi este o caso: existem no máximo três quilómetros entre a parte superior e os níveis inferiores e, um terço do que seja contabilizado pelo muro de rocha atirado ao redor da cratera como uma coroa dentada.

É muito raso, para ser um buraco tão grande. Além disso, o fundo da cratera é convexa, seguindo a curva da superfície lunar. Se ficasses no meio da cratera, nem sequer serias capaz de ver a parte mais alta da borda–ela estaria além do horizonte. Um buraco que é mais parecido com um monte, é um caso um pouco estranho, talvez.

Nem por isso, supõe-se que quando o meteorito atinge o revestimento externo da lua, este desempenha o papel de um amortecedor e o corpo estranho depara-se com uma barreira esférica impenetrável. Amassando apenas ligeiramente a camada da armadura de 20 quilómetros, sendo que a explosão arremessa pedaços do seu “revestimento” em todas as direcções.

Tendo em mente que o revestimento de defesa da Lua é, de acordo com os nossos cálculos, 2,5 quilómetros de espessura, vê-se que esta é aproximadamente a profundidade máxima das crateras.

Saturn-Moon-and-Death-Star

UMA NAVE ESPACIAL QUE FRACASSOU?

Analisemos agora as peculiaridades químicas da rocha lunar.

Após análise, os cientistas Americanos encontraram o cromo, titânio e o zircónio na rocha lunar. Estes, são todos metais com propriedades refractárias, mecanicamente fortes e anti-corrosivos. Todos eles juntos constituiriam uma resistência invejável ao calor e a capacidade de resistir a meios de agressão e, poderia ser usada na Terra para o revestimento de fornos eléctricos.

Se um material tivesse que ser concebido para proteger um satélite artificial gigante dos efeitos desfavoráveis da temperatura, da radiação cósmica e bombardeamento de meteoritos, os especialistas provavelmente teriam escolhido precisamente estes metais. Nesse caso, não é claro por que a rocha lunar seja um condutor de calor extremamente pobre – um factor que deixou os astronautas admirados? Não era isso que os construtores do super- satélite da Terra estavam a procura?

Do ponto de vista dos engenheiros, esta antiquíssima nave espacial que nós chamamos de Lua foi soberbamente construída. Pode haver uma boa razão para a sua extrema longevidade. É mesmo possível que antecede o nosso próprio planeta. De qualquer forma, alguns pedaços da rocha lunar revelaram ser mais velhos do que as rochas mais antigas da Terra, embora seja verdade, isto aplica-se a idade dos materiais e não a da estrutura para o qual foram utilizados. E a partir do número de crateras na sua superfície, a própria Lua não é tão jovem.

Naturalmente, é difícil dizer quando é que ela começou a brilhar no céu acima da Terra, mas com base em algumas estimativas preliminares pode-se supor que foi a cerca de dois mil milhões de anos atrás.

É claro, que não acreditamos que a lua ainda seja habitada e, provavelmente, muitos dos seus dispositivos automáticos também deixaram de funcionar. Os estabilizadores deixaram de funcionar e os pólos mudaram. Mesmo que a lua mantenha esse mesmo lado virado para nós, ela no entanto tem estado instável há algum tempo em seu próprio eixo, mostrando-nos de vez em quando parte do seu reverso, que antes eram invisíveis para os observadores na Terra – por exemplo, os próprios selenitas fizeram expedições aqui.

O tempo cobrou o seu preço. Tanto o corpo e o aparelho se desintegraram em certa medida; algumas costuras sobre a cobertura interna são evidentemente diferentes. Presumimos que as longas pequenas crateras (até 940 quilómetros) que anteriormente tinham sido atribuídas a actividade vulcânica, foram provocadas por erupções de gás, através das rachaduras que aparecem no revestimento, em consequência dos acidentes.

Sem dúvida, uma das características mais esplêndidas da paisagem lunar – uma “parede” em linha recta de quase 500 metros de altura e mais de 60 quilómetros de comprimento – que se formou em resultado de uma das placas de revestimento ter-se dobrado sob o impacto de torpedos celestes e levantado uma das suas bordas rectas.

Os habitantes da Lua provavelmente tomaram as medidas necessárias para corrigir os efeitos do bombardeamento de meteoritos, como por exemplo, remendar o revestimento externo que cobre a camada interna. Para tais fins, foi provavelmente usada uma substância a partir do núcleo lunar, um tipo de cimento feito a partir do mesmo material. Depois de processado, seria então canalizado para as partes da superfície onde eram necessários.

Não há muito tempo atrás, os astrónomos descobriram variações nos campos gravitacionais perto dos grandes “mares”. Acreditamos que a razão para tal seja a seguinte: os mares secos da Lua são na realidade áreas a partir do qual foram subtraídos o revestimento protector do revestimento de protecção. Para reparar os danos que estas vastas áreas. A instalação que produzia a substância de reparação teria que ser levada imediatamente no local para que ela pudesse inundar a área com o seu “cimento”. Os trechos planos resultantes são o que parecem mares para o observador terrestre.

Os estoques de materiais e máquinas para realizar tal operação, sem dúvida ainda estão onde foram originalmente colocados e, são suficientemente maciços para dar origem a estas anomalias gravitacionais.

  • O que é a Lua hoje?
  • Será uma necrópole colossal, uma “cidade dos mortos”, onde alguma forma de vida tornou-se extinta?
  • Será algum tipo de “Holandês Voador” cósmico? Uma nave abandonada pela sua tripulação e controlada automaticamente?

Não sabemos… e não tentaremos adivinhar.

ESPERANDO AS PROVAS

Neste artigo apresentámos apenas algumas das razões – infelizmente a evidência até agora é apenas circunstancial – dado que a nossa hipótese, à primeira vista pode parecer loucura.

Uma ideia “Louca” igual a esta foi apresentada em 1959 pelo Professor Iosif Shklovsky, um eminente cientista, em relação as “Luas” que circulam em torno de Marte.

Após ter examinado atentamente as evidências, ele conclui que as luas são não só satélites ocos mas também artificiais.

Sentimos que as questões que levantamos relacionadas com a nossa Lua forneçam alimento suficiente para uma reflexão séria sobre o assunto; o resultado pode ser a compreensão dos nossos muitos enigmas lunares.

Agora, é claro que temos que esperar por evidências directas, para apoiar a nossa ideia. Ou refutá-la …

Provavelmente não teremos que esperar muito tempo.

 

Fonte:

http://www.bibliotecapleyades.net/luna/esp_luna_6.htm

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: