Posts recentes

Papa Francisco Compara o Consumo de ‘Notícias Falsas’ a Pessoas Atraídas por Fezes

 

1971-copiar

O papa Francisco disse que a disseminação de desinformação é “provavelmente o maior dano que a imprensa pode fazer”. Fotografia: Antonelli / AGF / Rex / Shutterstock

O pontífice diz que os jornalistas devem evitar cair na “doença da coprofilia”, um interesse anormal por fezes.

Papa Francisco criticou os meios de comunicação que se concentram em escândalos e difamação e promovem notícias falsas como um meio de desacreditar os funcionários públicos. A disseminação da desinformação é “provavelmente o maior dano que a imprensa pode fazer”, disse o pontífice ao semanário Católico Belga Tertio. É um pecado difamar as pessoas, acrescentou.

Usando uma terminologia impressionante, Francisco disse que os jornalistas e os meios de comunicação devem evitar cair na “coprofilia” – um interesse anormal em excrementos. As pessoas  que lêem ou assistem tais histórias arriscam a comportar-se como os coprófagos, ou seja, pessoas que comem fezes, acrescentou.

O papa pediu desculpa por usar a terminologia que alguns poderiam achar repelente.

“Eu acho que a imprensa tem que ser muito clara, muito transparente e não cair – sem querer ofender – na doença da coprofilia, ou seja, sempre querendo cobrir escândalos, noticiando coisas desagradáveis, mesmo que sejam verdadeiras”, disse ele.”E uma vez que as pessoas têm uma tendência para a doença de coprofagia, muito dano pode ser feito.”

Ele também falou do perigo de usar a imprensa para caluniar os rivais políticos. “Os meios de comunicação têm as suas próprias tentações, podem ser tentados pela difamação e, por isso, costumam caluniar as pessoas, difamá-las, sobretudo no mundo da política”, disse ele.

“Eles podem ser usados como meios de difamação. Ninguém tem o direito de fazer isso. É um pecado e é doloroso.”

A desinformação é o maior dano potencial que a imprensa pode causar, disse ele, porque “conduz a opinião numa única direcção e omite a outra parte da verdade”.

A entrevista de quarta-feira não foi a primeira vez que Francisco falou sobre o mesmo argumento usando linguagem incomum. Um ano antes de ser eleito papa, ele disse ao jornal italiano La Stampa: “Os jornalistas às vezes correm o risco de se tornarem doentes por coprofilia e, assim, fomentar a coprofagia, que é um pecado que contamina todos os homens e mulheres – ou seja, a tendência de concentrar-se no negativo, ao invés dos aspectos positivos.”

Os últimos comentários do papa sobre a desinformação foram feitos num contexto de um debate global sobre a proliferação de sites de notícias e histórias falsas que apresentam eventos através de uma lente altamente partidária.

Nos EUA, alguns observadores sugeriram que as notícias falsas poderiam ter influenciado a eleição presidencial em favor de Donald Trump. Em 19 de Novembro, o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, anunciou novos passos para contrariar as notícias falsas na plataforma, marcando uma saída do seu cepticismo de que a desinformação Online era, como Barack Obama disse, uma ameaça para as instituições democráticas.

A teoria da conspiração “Pizzagate”, em que um atirador auto-radicalizado disparou num restaurante popular de pizza em Washington DC no Domingo, foi espalhado com a ajuda de notícias falsas acusando falsamente os donos de fazerem parte de um circo de pedofilia inexistente com supostas ligações a Hillary Clinton.

 

Fonte:

https://www.theguardian.com/world/2016/dec/07/pope-compares-fake-news-consumption-to-eating-faeces-coprophilia

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

%d bloggers like this: