Posts recentes

Cientistas Afirmam Que a “Energia Escura”, Que Representa 68% do Inteiro Cosmo, Pode Ser Totalmente Imaginária

A energia escura já não é tão escura … ou existente. Um novo estudo publicado no Monthly Notices da Royal Astronomical Society afirma que a enigmática energia escura na verdade não existe. Durante as duas últimas décadas, acreditava-se que 68% do universo era feito de energia escura (em contraste, a matéria escura compõe 27% do universo, enquanto a matéria “ordinária” só representa 5%). Essa energia escura explicava aquela pequena coisa – algo que descrevia o movimento das estrelas dentro das galáxias, incluindo a taxa de aceleração em que o universo se expandia. E sim, essa frase foi usada intencionalmente: o fato é que os astrónomos não tinham ideia real do que estavam a ver ou como isso influenciou o universo.

De acordo com as teorias convencionais da astrofísica, o universo foi formado pelo Big Bang há quase 14 biliões de anos e tem se expandido desde então. Isto está baseado na lei de Hubble, que afirma que, em média, a velocidade em que uma galáxia se afasta de nós é proporcional à sua distância. A velocidade desta recessão pode ser vista observando as linhas no espectro de uma galáxia, que muda para vermelho, quanto mais rápido  a galáxia se afastar. É este modelo matemático que provou que o universo está a se expandir e que deu início a vida como um pequeno ponto. Ainda assim, os cientistas nunca foram capazes de explicar a força que causou a aceleração.

Observações das explosões de estrelas anãs brancas em sistemas binários, chamadas Supernovas Tipo I, uma supernova na década de 1990, “confirmou” aos cientistas que havia um terceiro componente anteriormente desconhecido no universo. Os astrónomos chamaram esse componente de energia escura.

Este novo estudo questiona estas suposições. O autor principal, Ph.D. o estudante Gábor Rácz da Universidade de Eötvös Loránd na Hungria, diz que confiar nos modelos convencionais de cosmologia ignora a densidade uniforme da matéria em si. Isso ocorre porque os cientistas dependem muito de aproximações ao invés de ver outras possibilidades.

O co-autor do estudo, o Dr. László Dobos explica num artigo publicado em ScienceDaily.com, “as equações da relatividade geral de Einstein que descrevem a expansão do universo são tão complexas matematicamente que durante cem anos não foram encontradas soluções que expliquem o efeito das estruturas cósmicas. Sabemos por observações muito precisas da supernova que o universo está a acelerar, mas ao mesmo tempo nos apoiamos em aproximações grosseiras sobre as equações de Einstein, que podem introduzir sérios efeitos colaterais, tais como a necessidade de energia escura, nos modelos projetados para se ajustarem aos dados observacionais.”

A Ilusão da Escuridão

Será que a aceleração do universo é apenas impulsionada por meras variações ou não-homogeneidades? Se devemos acreditar nos pesquisadores, isso poderia explicar um dos maiores mistérios da física, como nada mais do que a velha teoria familiar da relatividade, explicada por Albert Einstein anos atrás. Naturalmente, alguns pesquisadores continuam céticos. Tom Giblin, um cosmologista computacional na Kenyon College, em Gambier, Ohio, disse num artigo na ScienceMag.com: “Eu ficaria feliz se a falta de homogeneidade explicasse a energia escura … [mas] eu não vejo nenhuma evidência das nossas simulações para esperar que seja um efeito tão grande como eles veem aqui.”

O problema em questão é que o novo estudo questiona os modelos computacionais que têm sido usados há 20 anos. Em poucas palavras, os cosmólogos confiaram em duas equações para descrever como o universo evoluiu. Uma define como a matéria coalesce nas galáxias, enquanto que a outra (conhecida como o Friedmann-Lemaître-Robertson-Walker (FLRW métrica) está baseada na teoria da gravidade de Einstein e espera-se que explique o quanto o universo se expandiu num determinado momento. Os modelos de energia escura dependiam da FLRW para explicar a sua função. Escusado será dizer que os astrônomos tiveram diversos resultados. Isso, diz a nova pesquisa, é porque as equações FLRW aplicam-se apenas a um universo uniforme e homogêneo. Isso já é questionável, considerando que a relatividade geral diz que a massa e a energia deformam o espaço-tempo. Assim, em princípio, as não-homogeneidades são mais susceptíveis de afectar a expansão do universo do que as simulações calculadas.

O modelo computacional do novo estudo sobre as não-homogeneidades sugere que o estudo desses vectores são mais relevantes para a compreensão do universo do que a pesquisa anterior. Ainda assim, os especialistas pedem mais dados. “A cosmologia convencional tem feito um péssimo trabalho em resolver o problema da energia escura que provavelmente será alguma ideia não-convencional como esta, diz Giblin. No entanto, ele acrescenta: “Eu não sei se este é o único”.

Fonte: 

http://naturalnews.com/2017-04-17-scientists-now-claim-dark-energy-which-makes-up-68-of-the-the-entire-cosmos-may-be-totally-imaginary.html

transferir Graciano Constantino oferece tratamentos de Cura Energética. O tratamento pode ser feito pessoalmente ou a distância, normalmente através do Skype ou se preferir basta simplesmente uma foto recente de modo a facilitar a conexão. Actualmente vivendo em Turim – Itália, Graciano dedica uma parte do seu tempo na arte da cura, trabalhando com plantas e também animais. Saiba mais sobre Graciano Aqui

Para saber mais sobre a técnica visite: Cura de Pura Energia

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: