Posts recentes

Os Intermináveis Ciclos da Criação – Rodas Dentro de Rodas

ct-ciclo-expansao-universo.jpgAgora vamos resumir como um ciclo de criação poderia parecer. Vou fazê-lo na forma de lista, porque como sabemos, a mente lógica quer ter tudo organizado.

É uma coisa 3-D, mas ajuda-nos a entender melhor os assuntos complicados.

1. A Deusa Mãe cria algo no que é mais fácil explicado como uma lagoa, composta de 12 ondulações, que também pode ser comparado a ondas sonoras. Cada ondulação é um universo. Tanto quanto sabemos, os universos vêm em grupos de 12. Cada universo numa lagoa particular tem o seu próprio superintendente (seres evoluídos de universos anteriores), e a Deusa Mãe está sentada na cadeira número 13, sendo o superintendente de todos os 12 universos, como uma espécie de supervisor.

2. As ondulações eventualmente tornam-se redondas, como um sol ou um planeta e, está pronta para iniciar a sua expansão e ter vida inteligente inserida nele. A Deusa cria o nosso Universo a partir de uma das ondulações na lagoa, emprestando-lhe energia. A razão para a sua criação é ajudá-la a se expandir e tornar-se mais consciente de si mesma.

3. A Mãe cria as dimensões, as densidades, as galáxias, nebulosas, estrelas e planetas em ordem decrescente. Cada uma dessas criações torna-se um ser consciente, altamente evoluído, nascido directamente do “ventre da mãe”, que é respectivamente o centro das galáxias.

Ela permite que esses seres evoluídos façam o seu trabalho e se preparem para o próximo passo na evolução deste jovem universo. Em todo o processo, entendo que os outros 12 deuses criadores altamente evoluídos – os supervisores das outras 11 ondulações / universos, além do novo supervisor deste particular – estão a ajudar a Mãe na criação desse novo universo.

Eles são os construtores.

4. Esses Deuses Criadores estão a semear o universo (panspermia) com as sementes de vida inteligente. Esta propagação inicial está a ser feita em planetas e planetoides / asteróides em diferentes partes do universo.

A vida então evolui nos planetas em diferentes galáxias, mais quando os asteróides e outros corpos celestes atingem um planeta “sem vida”, ele pode conter sementes com vida e a vida finalmente também começa a evoluir nesse planeta.

E assim continua por um tempo.

5. Depois de milhões ou biliões de anos, uma determinada espécie evolui num planeta particular. Quando eles alcançam um certo nível de compreensão e despertar espiritual, podem escolher sair e explorar as dimensões e densidades.

Eles evoluíram livremente, sem o “Véu da Amnésia”. Os Construtores, que ajudaram a Deusa a criar este universo específico em que vivemos, estão a supervisionar o processo quando uma espécie evolui (ou lhes dão as ferramentas para que possam sobreviver por conta própria), e se um corpo 3D morrer num acidente e a alma / avatar deixa o corpo, ele sabe imediatamente como obter um novo assim que um se torna disponível.

No início, antes que um grupo de almas evolui o suficiente, os Deuses Criadores supervisionam o projecto e ajudam no processo de criação até que as espécies aprendam a fazê-lo, seja pela reprodução sexual ou mais tarde, pela engenharia genética.

Às vezes, acontece que uma espécie se torna guerreira como parte do seu desenvolvimento e querem conquistar, em vez de explorar o espaço e a sua dimensão. Nesse caso, as espécies podem reproduzir em massa, porque precisam dos números para poder dominar outras raças.

6. Mais tarde, os Fundadores geralmente evoluem ainda mais. O seu Fogo cresce com a sua compaixão e compreensão e eles tornam-se estrelas, que são sempre seres sencientes, altamente evoluídos, pulsando com Fogo.

7. A estrela divide-se então em unidades menores que se tornam os planetas e as luas e, eventualmente temos um sistema solar recém-nascido. Os próprios planetas são seres muito evoluídos, vindo directamente do ‘ventre’ ou da sua estrela / sol.

8. Outros Deuses Criadores que aprenderam como sair e semear a vida agora vêm e pedem permissão para iniciar o processo de panspermia neste novo sistema solar e, a estrela e os planetas podem aprovar e todo o ciclo começa de novo, como rodas dentro de rodas, ciclos dentro de ciclos.

9. Eventualmente, a estrela evolui e torna-se uma nova ou uma supernova e deixa uma nuvem de poeira de estrelas em torno dela. O próximo passo normalmente é que a estrela se torna uma anã branca e esfria quando está a se expandir para outro lugar como uma outra coisa. Os planetas que orbitavam a estrela geralmente seguem a estrela no seu desenvolvimento.

10. Às vezes, muitas vezes após uma explosão de supernova, uma nebulosa é formada. Este é a poeira das estrelas restante da estrela ‘explodindo’. No entanto, na minha opinião, esta poeira das estrelas é como um projecto de panspermia em si mesmo e uma vez que um ser está pronto para se tornar uma estrela em seu desenvolvimento, essas nuvens / nebulosas apoiam o progresso e as estrelas nascem nessas nebulosas.

Uma estrela, cujo próximo passo é tornar-se uma nebulosa, não precisa necessariamente habitar a sua própria “poeira das estrelas”, mas pode, pelo que eu entendo, evoluir e tornar-se numa nebulosa em outra parte da mesma galáxia.

11. A nebulosa agora dá origem a um conjunto de estrelas que formam o seu próprio planeta e a nebulosa se torna o “pai” e o supervisor. Depois disso, é hora da nebulosa tornar-se uma galáxia. Ela agora supervisiona tudo o que acontece na sua galáxia particular, provavelmente até que o Universo tenha alcançado a sua meta e comece a se retrair e implodir.

12. O próximo passo a partir daí seria tornar-se um supervisor de todo um universo. A Deusa pode aparecer numa versão manifestada de si mesma e designa o ser.

13. Quando o supervisor de um universo é feito com essa parte do seu desenvolvimento, ela pode querer tornar-se o supervisor de todo um “lago” que é sempre criado pela própria Deusa Mãe, assim como todos os universos naquele lago.

14. Portanto, agora parece que chegamos a um círculo completo, mas na verdade, a criação continua. Se usarmos a analogia com a aranha e a teia de aranha, ainda há “áreas infinitas” de potencialidade que ainda têm que ser criado, então quando necessário, a Deusa Mãe pode continuar a “girar a sua teia” e a criação continua. Existe um fim para a criação?

No meu entendimento, o fim é quando a Deusa decide acabar com isso, se é que alguma vez vai decidir. Um único universo é concluído quando ele atingiu o seu “objectivo”, que foi definido antes de ser criado.

Fonte:

https://www.bibliotecapleyades.net/ciencia/ciencia_multiverse24.htm

transferir Graciano Constantino oferece tratamentos de Cura Energética. O tratamento pode ser feito pessoalmente ou a distância, normalmente através do Skype ou se preferir basta simplesmente uma foto recente de modo a facilitar a conexão. Actualmente vivendo em Turim – Itália, Graciano dedica uma parte do seu tempo na arte da cura, trabalhando com plantas e também animais. Saiba mais sobre Graciano Aqui 

Para saber mais sobre a técnica visite: Cura de Pura Energia 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: