Posts recentes

Viva Livre Ou Morre: A Psicologia Da Rebelião & Dissidência

Gadsden.v1

“Eu me rebelo, logo existimos.” ~ Albert Camus, The Rebel

 A dissidência é um tema complicado. A necessidade de se rebelar contra a atrocidade está profundamente enraizada na condição humana. Mesmo que a maioria de nós não agisse sobre isso, o impulso continua a existir, provocando repugnância, fazendo bater os nossos corações, fazendo com que usemos  palavrões e gritemos em desafio com raiva. O problema é que a maioria de nós não sabe o que fazer com essa energia poderosa e às vezes esmagadora.

Muitos de nós fomos criados em sociedades violentas que usam a violência para manter a cultura agitada num ciclo diabólico de conquista-controlo-consumo que se repete constantemente. Assim, a maioria de nós tende a usar a violência para canalizar a sua profunda e poderosa necessidade de dissidência, perpetuando assim mais violência. Quando a cultura bloqueia a violência na sua garganta como uma solução para os seus problemas, será que ficamos realmente surpresos quando os nossos actos de rebelião tornam-se violentos? Temos que ceder alguma coisa se quisermos quebrar esse ciclo de violência profundamente inserido na nossa cultura.

No seu livro, The Rebel: An Essay on Man in Revolt, Albert Camus escreveu sobre o “verdadeiro rebelde”. O verdadeiro rebelde está em revolta contra a opressão, a violência, a escravidão e a tirania por causa dos outros através de uma acção construtiva e de afirmação da vida. O verdadeiro rebelde protesta por amor, para que outros possam ser livres. A intenção é tudo. A verdadeira rebelião, argumenta Camus, é um ato motivado, mas preocupado com o bem comum e não pelo interesse próprio. O rebelde que se rebela por egoísmo, ganância ou necessidade de poder, eventualmente torna-se um tirano. O rebelde que se rebela por causa dos outros, torna-se um herói.

Quer sejas da extrema-direita ou da extrema esquerda, republicano ou democrata, voluntarista ou anarquista, se procuras poder sobre os outros para os teus próprios fins egoístas e gananciosos, a sua revolução significa “fodam-se todos”. Você é apenas outro aspirante a ser tirado do moinho de carne da violência que gera violência. Não importa o quão nobre ou importante você acha que seja a sua causa; Se precisas usar a violência para persuadir os outros a seguí-la, a sua causa é fundamentalmente imperfeita e imoral. Actuar de forma violenta numa cultura violenta só perpetua a violência. Da mesma forma, agir de forma imoral numa sociedade imoral apenas perpetua a imoralidade. Actos insalubres geram actos pouco saudáveis. Como disse Gandhi: “Olho por olho faz o mundo cego”.

Para que não fiquemos todos cegos, devemos nos rebelar para que os outros possam viver livremente. Isso exige que a nossa dissidência baseie-se em liberdade para todos, mesmo para aqueles com os quais não concordamos. Uma espécie de metamoralidade surge a partir desse tipo de pensamento, como escreve Joshua Greene no seu livro Moral Tribes. Mas, aqui está o problema, qualquer liberdade que procure violar o princípio da não agressão não deve ser tolerada. A violência é onde a linha deve ser traçada. Como alguém disse uma vez,

“A sua liberdade de balançar o seu punho termina uma polegada do meu nariz” (desconhecido).

Nesses casos, a autodefesa é primordial. Como Gandhi também aconselhou:

“Quando há apenas uma escolha entre covardia e violência, eu aconselharia a violência”.

Um verdadeiro rebelde não procura a rebelião por causa da rebelião, ou apenas como uma desculpa para actuar violentamente. Não. Um verdadeiro rebelde procura apaixonadamente por um ambiente saudável (fisicamente, cultural e psicologicamente) e se rebela contra qualquer coisa que interfira no meio desse ambiente saudável. Como disse Camus,

“Rebelião, embora aparentemente negativa, uma vez que não cria nada, é profundamente positiva na medida em que revela a parte do homem que sempre deve ser defendida”.

E é disso que se resume: autodefesa, autopreservação, e sobrevivência. Não apenas a sobrevivência pessoal, mas a sobrevivência da espécie.

É aí que entra a acção de afirmação da vida. Quando a nossa rebelião é afirmação da vida, afirmação de liberdade e baseada na não-violência, ela é saudável (heróica). Quando a nossa rebelião rejeita a vida, negando a liberdade e baseada na violência, é insalubre (tirânica). O herói é livre e usa essa liberdade com a intenção da alma de libertar os outros. O tirano (ou seria tirano) também é livre, mas usa essa liberdade com a intenção para dominar os outros. Escapamos da tirania quando procuramos libertar os outros através da nossa própria liberdade. A liberdade coincide com o heroísmo quando podemos perguntar, “livre de quê?” para perguntar, “livre para o quê?”

No final do dia, a história da nossa cultura de violência só é frutífera através de uma rebelião vigilante contra ela. Isso significa uma rebelião vigilante contra a opressão, o ódio, a violência e a escravidão de todos os tipos. Aqueles que se dedicam a essa cultura de violência não se dedicam a nada e, por sua vez, não são nada. Mas aqueles que se dedicam à vida, à liberdade e à saúde, apesar da cultura da violência, se dedicam à sobrevivência e colhem dela o que semeiam na evolução progressiva da nossa espécie.

Uma espécie que se infiltra na violência contra si é insalubre e eventualmente se destrói. Uma espécie determinada a ser saudável apenas usa a violência como último recurso em autodefesa e para a preservação da própria espécie. Do primeiro, o desafiante tirano mostra a sua cabeça feia, declarando-se livre às custas da liberdade dos outros. A partir deste último, o herói desafiante ergue-se, negando a opressão violenta do tirano e afirmando a liberdade através da liberdade de todos nós. Isso é o que Camus quis dizer quando escreveu:

“Eu me rebelo, logo existimos”.

Fonte:

http://www.wakingtimes.com/2017/10/12/live-free-die-psychology-rebellion-dissent/

Graciano..jpg Graciano Constantino oferece tratamentos de Cura Energética. O tratamento pode ser feito pessoalmente ou a distância, normalmente através do Skype ou se preferir basta simplesmente uma foto recente de modo a facilitar a conexão. Actualmente vivendo em Turim – Itália, Graciano dedica uma parte do seu tempo na arte da cura, trabalhando com plantas e também animais. Saiba mais sobre Graciano Aqui

Para saber mais sobre a técnica visite: Cura de Pura Energia 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: