Posts recentes

Psicopata Vs. Empático: A Guerra Entre A Evolução E A Estagnação

good-vs.-evil-1

“O destino conduz o disposto e arrasta o relutante.” ~ Seneca

Em Psicopata vs. Empático, Parte 1: A Guerra Entre a Verdade e a Mentira, falamos sobre a dinâmica cultural entre o psicopata e o empático no mundo. Neste artigo, aprofundaremos a dinâmica psicopata / empático dentro de todos nós. Ao mesmo tempo, mostraremos o quadro geral sobre como essa dinâmica afectará a nossa evolução como espécie. Mas primeiro, vamos analisar algumas das diferenças críticas entre o psicopata e o empático.

Os psicopatas são apáticos e têm problemas em empatizar com os outros; os empáticos são exemplares em colocar-se na pele de outra pessoa. Os psicopatas têm a ver com poder e invulnerabilidade; os empáticos pelo contrario têm a ver com capacitação e vulnerabilidade absoluta. Os psicopatas têm a ver com o individualismo implacável; Os empáticos com a interdependência individualizada. Os psicopatas são indiferentes, apáticos e emocionalmente superficiais; Os empáticos são profundamente pensativos e compassivos. Os psicopatas são auto-sérios e insinceros; os empáticos são humildes e sinceros. Os psicopatas são excessivamente confiantes e limitados; Os empáticos são confiantes, mas de mente aberta. Os psicopatas são egoístas e violentos; os empáticos são desinteressados e amorosos. Os psicopatas são rígidos, inflexíveis e intolerantes; os empáticos são abertos, flexíveis e tolerantes.

Mas a natureza humana nunca é tão preto e branco. Ninguém é completamente empático ou psicopata. A maioria das pessoas provavelmente cairia no meio da curva de um sino. E ninguém sabe com certeza se alguém é 100% psicopata ou empático ou mesmo se alguém pode ser. O artigo Como Identificar Psicopatas afirma que 1% da nossa população é psicopata. No artigo A Mascara da Insanidade, o Dr. Hervey Cleckley disse que o número de psicopatas é superior a 4%. E o jornal The Guardian fez uma revisão do livro A Sabedoria dos Psicopatas de Kevin Dutton, que afirma que 10% da sociedade é psicopata. Ainda assim, ser um psicopata, como quase qualquer outra condição psicológica, não é necessariamente uma condição “ou és ou não és”. A psicopatia é um conjunto de traços e características que varia em todos. A mesma coisa pode ser dita dos empático, embora haja pouca ou nenhuma pesquisa conhecida sobre eles.

Mas, aqui está o cerne da questão, que rege o preceito, como William Hirstein Ph.D. escreveu:

“Os psicopatas mostram uma falta de emoção, especialmente as emoções sociais, como a vergonha, a culpa e o constrangimento”, então não é lógico que a nossa falta de vergonha, culpa e constrangimento colectivo quanto à nossa incapacidade de viver num acordo saudável e com o nosso ambiente denote psicopatologia desenfreada? Em outras palavras, se estamos realmente a ser empáticos, então, não seríamos capazes de mostrar vergonha, culpa e constrangimento pela nossa incapacidade de viver de maneira saudável e que possa levar a uma evolução progressiva para a nossa espécie?

A evolução acontecerá independentemente de querermos ou não. Mas a questão é: queremos que a evolução seja progressiva, estagnada ou regressiva. Parece razoável que a maioria das pessoas diria que quer uma evolução progressiva para a nossa espécie. Assim como a maioria das pessoas afirma que são mais empáticos do que psicopatas. Mas o apego emocional pode muitas vezes dificultar o nosso raciocínio. Assim como muitas vezes pode interferir como nos vemos as coisas. Haverá mesmo momentos em que não estamos conscientes disso, como quando estamos no auge da dissonância cognitiva. Os nossos apegos emocionais cognitivos-dissonantes são geralmente associados, mas certamente não se limitam a, política, religião, nacionalidade e raça.

Mas não vamos fugir do tema. Podemos provavelmente concordar, de forma empática, que queremos o que é melhor para os nossos filhos e netos. Provavelmente também podemos concordar, de forma empática, que desejamos um ambiente saudável para criá-los e envelhecer. E se podemos pelo menos concordar com esses dois preceitos, devemos também concordar que a evolução progressiva, em oposição à estagnação ou evolução regressiva, é a melhor forma e a mais saudável para obter ambos.

Mas, muitas vezes, o nosso psicopata interno ergue a sua cabeça feia e sussurra palavras doces subconscientes no nosso ouvido. “O único caminho a seguir é através desta religião particular ao invés das outras 4.200 religiões que existem”. Ou, “O único caminho a seguir é com leis rígidas e ordens apoiadas por um estado violento, caso contrário, haverá anarquia”. Ou,” Antes de podermos avançar, devemos nos dividir do resto do mundo para evitar imigrantes ilegais. Que tal um muro?” Ou,”Devemos nos manter firmes nas nossas tradições, não importa o quão desactualizada esteja. Devemos manter os nossos costumes e crenças a todo custo”. Ou,” Sim, mas não quero ficar desconfortável, vulnerável ou inseguro sobre o futuro”. Ou,” Quero mudar o mundo, claro. Mas eu não quero mudar.”

Chega um momento em que devemos colocar o nosso pé em nossos pensamentos insuportáveis, dar um passo para trás e olhar o quadro geral: todos queremos um ambiente saudável para os nossos filhos. É isso aí. Isso é tudo o que precisamos nos concentrar, para que o nosso empático interno atinja o nosso psicopata interno. Assim que começamos com a nossa política de segunda mão, que nos foi dada, perdemos a essência empática subjacente. Perdemos a conexão, a história compartilhada que temos com cada outro ser humano no planeta. Todos queremos um futuro saudável para os nossos filhos.

Então, o que significa exactamente um futuro saudável? O que é um ambiente saudável? E como chegamos lá? Como conseguiremos o motor de uma evolução saudável-progressiva-para-a-nossa-espécie? Em primeiro lugar, precisamos das seguintes palavras como nosso princípio fundamental: podemos discordar e ainda nos amarmos a menos que o seu desacordo esteja enraizado na minha opressão ou negação da minha humanidade e direito de existir livremente. Em outras palavras: podemos coexistir, e até mesmo em desacordo, como empáticos, mas não podemos coexistir se fores um psicopata violento e tirânico que pensa que precisa controlar-me à força. Esse é o primeiro passo: o princípio fundamental da base do útero do nosso caminho para um futuro mais saudável para os nossos filhos.

Depois disso, a evolução progressiva apenas requer imaginação, improvisação e adaptação. Isso exige que saiamos do nosso próprio caminho. Especialmente quando se trata das nossas tendências psicopatas condicionadas de querer controlar tudo e todos, na medida em que não somos apenas violentos em relação ao nosso meio ambiente (ecocidas) mas violentos uns contra os outros (homicidas).

Agora, mais do que nunca, em plena época do Antropoceno, temos o poder de direccionar o nosso próprio caminho. Mas será saudável ou insalubre? Devemos ser capazes de superar as nossas pequenas diferenças e abraçar a nossa necessidade mútua de nos adaptar às mudanças. Caso contrário, nos tornaremos muito rígidos, inflexíveis, presos para que uma evolução saudável aconteça.

Então, eu imploro, cuidado com a tirania do hábito. Não seja psicopatamente inflexível. Quanto mais elástico e fluido você estiver, mais você ficará à tona quando as águas esmagadoras da vicissitude entrarem, mais estarás preparado para ser um farol empático de esperança para os outros. A mudança não é fácil. Nunca foi. Mas a mudança é inevitável. Não há como parar. Ou nós destroçamos e o mundo tenta previne-o, ou nos adaptamos e vencemos para evoluir.

Isso realmente se resume a algo tão simples quanto a nossa capacidade, ou incapacidade, de lidar com a mudança. Isso acontece porque a mudança é um conceito enganadoramente complexo para lidar para um macaco psicossocial nu no auge da fase adolescente da sua própria evolução. Estamos a mergulhar na incompreensão desta adolescência. A parte mais desenvolvida da nossa mente, a consciência empática mais alta, gosta de pensar que ela pode se adaptar às mudanças, mas a parte menos evoluída da nossa mente, o cérebro reptiliano subconsciente, tem medo da mudança e luta contra ela. E adivinhe quem é normalmente mais forte? Infelizmente, o cérebro reptiliano psicopata.

O nosso cérebro reptiliano, cheio de medo, cheio de reacções automáticas de luta ou fuja, quer manter tudo confortável, seguro e sem riscos. Não se importa com o que tem a fazer para manter o seu estado actual de conforto, e segurança. Ele se apega à escassez e divisão, porque é o que foi condicionado a acreditar. Torna-se até mesmo violentamente psicopata em relação a quem tentar retirá-lo, ou quem sugere um caminho desconfortável e arriscado. Durante todo o tempo, em vão e inutilmente, resistem à mudança. Como George Bernard Shaw disse,

“Aqueles que não podem mudar de opinião não podem mudar nada”.

Ver a grande imagem nos ajuda a mudar as nossas mentes. Isso coloca as coisas na perspectiva apropriada. Também ajuda-nos a sentirmo-nos mais empáticos e menos psicopatas em relação aos outros. Somos mais capazes de ver o mundo como um, sem fronteiras. Somos mais capazes de restringir a nossa política inatingível a um conceito único que todos podemos concordar: a liberdade. Somos mais capazes de ver através de todos os preconceitos cognitivos do debate climático e perceber que o nosso problema é um problema simples que todos podemos concordar que precisamos consertar: a poluição. Somos mais capazes de travessar a divisão da treta das religiões e restringi-la a um único conceito que todos podemos concordar: o amor, especialmente amor para os nossos filhos. E, de repente, não há tantas diferenças entre nós, e uma espécie de metamoralidade emerge que muda o frenesi psicopática da nossa Era num amor empático pela interconectividade de todas as coisas.

Fonte:

http://www.wakingtimes.com/2017/10/16/psychopath-vs-empath-war-evolution-stagnation/

Graciano..jpg Graciano Constantino oferece tratamentos de Cura Energética. O tratamento pode ser feito pessoalmente ou a distância, normalmente através do Skype ou se preferir basta simplesmente uma foto recente de modo a facilitar a conexão. Actualmente vivendo em Turim – Itália, Graciano dedica uma parte do seu tempo na arte da cura, trabalhando com plantas e também animais. Saiba mais sobre Graciano Aqui

Para saber mais sobre a técnica visite: Cura de Pura Energia 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: