Posts recentes

Na Cultura Dos Fantasmas Famintos

Hungry-Ghost

“Nenhuma sociedade pode entender-se sem olhar para o lado sombrio.” – Gabor Maté, No Reino Dos Fantasmas Famintos: Encontros Imediatos Com o Vício.

Existem bolhas perversas logo abaixo da superfície da consciência colectiva. A nossa sociedade está repleta de corrupção, predação, perversão, excesso de consumo, violência, dependência e muito mais. De alguma forma, o suficiente nunca é suficiente, como se a força motriz por trás da existência humana fosse pura vontade.

No entanto isso não é verdade, porque sabemos que os seres espiritualmente bons são seres satisfeitos e, não olham mais do que as bênçãos do momento presente para a satisfação. Não temos uma necessidade inerente de querer. Desejo é um sintoma, não a condição. É algo que entra quando o espírito não está preparado.

Então, deve ser uma doença espiritual que aflige a sociedade. Algo que secretamente nos enlouquece com insaciáveis ​​desejos de sensação e objectos. Anseios implacáveis ​​que se manifestam de qualquer maneira imaginável, desde o sexo, dinheiro, comida, ao poder e até mesmo a necessidade de ser perfeito. É uma guerra contra si mesmo, realizada inconscientemente pelo eu. Uma campanha subconsciente abaixo da auto-aniquilação.

Não há metáforas contemporâneas para entender esse tipo de vazio. O vazio apenas é. E visto que o vazio é tão raramente reconhecido e tão raramente olhado profundamente, ele senta-se nas sombras, enlouquecendo e conduzindo-nos com impulso.

Na Filosofia Budista Chinesa, porém, há uma história que se encaixa. O fantasma faminto.

“Nos ensinamentos Budistas Chineses,” os fantasmas famintos não conseguem absorver ou assimilar o que eles precisam desesperadamente. O problema reside nas suas gargantas apertadas – que não abre para a alimentação. Eles vagueiam sem rumo a procura de alívio que não acontecerá tão próximo.” [Fonte]

Curiosamente, de acordo com alguns dos seus mitos de origem, o fantasma faminto nasceu de um ato de crueldade. Em muitas das histórias, é a esposa de um homem rico que fez algo terrível a um monge e, quando ela finalmente morre, o seu espírito toma a forma do fantasma faminto, sempre espreitando no purgatório, incapaz de preencher a sua barriga distorcida e, portanto, sempre precisando e querendo mais.

O fantasma faminto, é portanto uma expressão do karma.

Os fantasmas famintos são criaturas do tipo demoníacas descritas nos textos Budistas, Taoístas, Hindus, Sikhs e Jainas, como os restos dos mortos que são afligidos com desejo insaciável, fome ou sede como resultado de maus actos ou intenções malignas realizadas em seus tempos de vida. [Fonte]

No reino dos fantasmas famintos, um drama profundo entre o ego e o fantasma desenrola-se no infinito. É uma interacção que alimenta o ego apenas o suficiente para que ele sobreviva, de modo que, por sua vez, o ego possa alimentar o fantasma faminto. É uma especie de beco sem saída. Uma projeção em loop de uma das nossas piores vulnerabilidades humanas.

“O trabalho do fantasma não é de destruir completamente a sua presa. Tendo alimentado-se do outro através de trajectórias dissociativas de turbulência, o ego torna-se novamente mais robusto. O fantasma faminto agora tem, como companheiro e fonte da criação, um ego reabastecido no qual a alimentação interna pode retomar dentro do espaço de apagamento até a plenitude do fantasma-dentro novamente permeia o intersubjetivo”. Nick Nickton, Psicanálise e o Paranormal: Terras das trevas.

As pessoas espiritualmente saudáveis ​​compreendem os seus desejos por aquilo que são, expressões de formas inumeráveis ​​de dor. Manifestações do sofrimento causado pela desconexão do eu e da natureza. E o eu é a natureza. Realmente não há distinção entre os dois. A ilusão é de separação.

Os fantasmas existem para nos lembrar que o nosso verdadeiro trabalho está a transmutar o nosso sofrimento e crueldade em resiliência e compaixão. Não é suficiente aliviar a dor, ela deve ser usada para a nossa vantagem, para o nosso crescimento, para servir de catalisador para a transformação e fornecer uma crisálida em que a transformação possa ocorrer.

“Somos seres sociais. Quando nos sentimos desconectados ou alienados, experimentamos dor. O vício, a depressão, a raiva e a violência são maneiras diferentes de reagir à dor. Para curar a nossa sociedade, devemos curar as feridas emocionais.” ~ Chris Agnos

Pouco entendem isso com mais clareza do que o Dr. Gabor Maté, cujo trabalho com toxicodependentes transformou a nossa compreensão do que significa ficar preso no domínio dos fantasmas famintos.

Fonte: 

http://www.wakingtimes.com/2017/12/13/culture-hungry-ghosts/

Graciano..jpg Graciano Constantino oferece tratamentos de Cura Energética. O tratamento pode ser feito pessoalmente ou a distância, normalmente através do Skype ou se preferir basta simplesmente uma foto recente de modo a facilitar a conexão. Actualmente vivendo em Turim – Itália, Graciano dedica uma parte do seu tempo na arte da cura, trabalhando com plantas e também animais. Saiba mais sobre Graciano Aqui

Para saber mais sobre a técnica visite: Cura de Pura Energia 

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: