Posts recentes

A Chave Para Curar O Trauma

x-default

Flor de lótus

A vergonha tóxica e outros mecanismos de como lidar com profundo traumas de infância, costumam fazer com que as pessoas sintam que não podem enfrentar a dor que sentiram quando eram jovens e inocentes. O abuso traumático – seja sexual, físico ou emocional – causa alterações duradouras nos sistemas nervosos e na química do cérebro. Não é de admirar que possamos achar difícil mudar a nossa visão do mundo e curar-nos. Existe porém uma maneira de fazer isso e, pode não ser o que você imagina.

Quando alguém experimenta um trauma durante a infância, o processo normal de desenvolvimento é profundamente alterado. Essa pessoa tende a compartimentar e armazenar as emoções que sente quando são jovens, porque são dolorosas demais para digerir no momento em que acontecem. Embora isso possa provocar todos os tipos de problemas mais tarde na vida, desde doença física até os desafios psicológicos, o fato de livrar-se da bagagem emocional é um mecanismo de lidar com o mesmo. Esta, também é uma boa opção, porque ajuda-nos a sobreviver.

Infelizmente, porém, até que o trauma seja sentido, perdoado e integrado, o funcionamento cognitivo e emocional normal de uma pessoa será extremamente prejudicado. Nós tendemos a não ser capazes de processar certas experiências quando somos pequenos, aprender como o mundo funciona e por que as pessoas se comportam da maneira que o fazem e, em vez disso reverter para a codificação primitiva. Você pode pensar nessa codificação, na forma de símbolos e sensações físicas, como abreviação do cérebro e do corpo.

Quando esses sinais são de alguma forma accionados muito mais tarde, após o trauma inicial, eles são sentidos no corpo como ansiedade, dores de cabeça, palpitações cardíacas, sonhos violentos e outras formas de memória codificada.

Embora essas memórias permaneçam na sua forma codificada e não processada, é provável que experimentemos emoções súbitas e intrusivas e, um alto nível de pânico e ansiedade. Não estamos conscientes do motivo pelo qual nos sentimos assim, mas as sensações físicas e o simbolismo que vemos em nossos sonhos são muito reais e podem ser muito desagradáveis.

É aqui que podemos iniciar a agir contra a dor física e psicológica que sentimos, sem entender as nossas próprias respostas. Talvez descarregamos raiva ou choro incontrolável choro num espectador inocente, ou somos accionados por uma pequena discussão com um ente querido. Sentimos que precisamos proteger essas partes feridas de nós veementemente, porque elas nunca foram curadas. Seria como reabrir uma crosta e permitir que o sangue que jorra fluísse novamente.

Embora haja provavelmente pouco perigo presente real, nos sentimos em risco e desejamos nos afastar da dor – mas esse é um dos paradoxos da dor. Enquanto continuarmos a tentar nos afastar da dor, ela vai deteriorar-se. Até que possamos aceitar o que aconteceu connosco e vê-lo sob a luz brilhante da consciência plena, ela controlará as nossas reacções emocionais no momento presente. Repare que eu disse reacções e não acções. Isso é porque não estamos a responder ao momento presente enquanto acontece, mas através da lente colorida do nosso trauma passado.

Para algumas pessoas, o trauma que sofrem é tão severo que elas desassociam-se dos seus corpos. Eles sentem-se entorpecidos ou “irreais” como uma maneira de lidar com a dor. Esse entorpecimento pode assumir a forma de sentir-se impedido de experimentar o amor ou a intimidade nos seus relacionamentos, ou “descamar”, ou “zonear” mentalmente para não ter que ficar presente com a dor que borbulha na superfície se forem atentos em mantê-lo sob controlo. Outros recorrem ao uso de drogas, bebidas alcoólicas, compras, sexo, ou até mesmo actividade física ou nos seus trabalhos para ignorar a dor que está apenas à espreita sob a superfície.

No entanto, nenhuma dessas tácticas funciona. Elas podem proporcionar alívio temporário, mas não permitem que a dor seja libertada e, com o tempo, os nossos corpos desmoronam, as nossas mentes se enfraquecem e, por fim, começamos a viver de uma forma que não faz sentido porque são auto-destrutivos. Nós internalizamos a dor que sentimos porque não honramos a sua libertação. Temos que aceitar radicalmente essa dor antes que ela perca o seu domínio sobre nós.

O ego, assim como o nosso intelecto, podem estar enganados. Podem manipular os nossos sentimentos. Podem dizer-nos que estamos a trabalhar 60 horas por semana ou a debitar dos nossos cartões de crédito o 30º par de sapatos porque “merecemos ter coisas boas”. O ego pode dizer-nos que precisamos de drogas e álcool para nos divertirmos um pouco, mas com o tempo, o corpo revelará a verdade que o ego tenta esconder.

Nós também podemos tentar esconder os sintomas da nossa dor com medicamentos ou com más escolhas de dieta, mas esses “truques” também falharão, pois eles ainda não aceitam radicalmente o que aconteceu connosco e, apenas servem para entorpecer os sentimentos que sentimos. Não quero sentir.

Dentro, desde o inicio, vive aquela criança inocente e incorruptível, a espera que sejamos fortes e corajosos o suficiente e perdoemos o suficiente para lidar com qualquer trauma horrendo que enfrentássemos. Não aceitará compromissos ou desculpas, mas espera pacientemente pelo dia em que pode ser libertado novamente – amar sem reservas e viver em total liberdade.

Na meditação, aprendemos a observar todos os pensamentos à medida que surgem sem julgá-los. Não importa se é a prática secular da meditação ou a espiritual – o método é o mesmo. Nós permitimos que todas as emoções, sensações físicas, imagens mentais e até cheiros ou fenómenos psíquicos subam à superfície e desapareçam. É nessa prática que aprendemos, um passo de cada vez, a permitir que todas as nossas emoções existam, sem negação ou sublimação.

Talvez não possamos lembrar exactamente o que levou-nos a encolher dentro de nós mesmos, mas podemos nos sentar e sentir uma dor nos nossos ombros, um sentimento de pânico no nosso chakras cardíaco, ou ver estranhas luzes coloridas a aparecerem sempre que certas memórias comecem a surgir das profundezas sombrias do subconsciente. Camada após camada de medos históricos, raiva, tristeza e trauma começam a ser “removidos” dos nossos corpos quando simplesmente nos permitimos ter consciência deles. Estranhamente, permitindo que esses medos e dores sejam, nós os libertamos. Como o poeta Rumi escreveu certa vez: “A cura para a dor está na dor”.

Como nos curamos de traumas passados que fazem com que as nossas vidas se estagnem agora? Nós aceitamos radicalmente a dor. Ao fazê-lo, a dor deixa o nosso corpo, mente e coração e, somos milagrosamente libertados.

Fonte:

http://www.wakingtimes.com/2018/03/06/key-healing-trauma/

Leitura Psíquica Com Graciano Constantino 

Para mais informações e marcações clique AQUI

c700x420.v1

Graciano..jpg Graciano Constantino oferece tratamentos de Cura Energética. O tratamento pode ser feito pessoalmente ou a distância, normalmente através do Skype ou se preferir basta simplesmente uma foto recente de modo a facilitar a conexão. Actualmente vivendo em Turim – Itália, Graciano dedica uma parte do seu tempo na arte da cura, trabalhando com plantas e também animais. Saiba mais sobre Graciano Aqui

Para saber mais sobre a técnica visite: Cura de Pura Energia

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

%d bloggers like this: