Posts recentes

Os Nommo ~ A Raça Anfíbia De Sirius

nommo.v1.jpg

Vamos visitar o planeta dos anfíbios.

O que são Sirius e Sirius B como sóis?

Sabemos que eles giram em torno de um centro comum, que é de fato equivalente a Sirius B girando em torno de Sirius A numa órbita elíptica.

Sirius A, uma estrela grande e brilhante, tem duas vezes e meia a massa do nosso sol. Sirius B tem noventa e cinco por cento da massa do nosso sol, mas porque é feito de matéria degenerada e é muito pequeno, isso não é óbvio.

Se Sirius B com a sua massa não fosse uma anã branca, poderíamos facilmente vê-la da Terra como uma estrela de magnitude 2, embora o problema de paralaxe tornasse difícil separá-la de Sirius A. Em todo caso, se Sirius B estivesse por conta própria em algum lugar a sua distância da terra, e não fosse uma anã branca, seria uma das estrelas mais brilhantes do céu.

Na realidade, Sirius A é dez mil vezes mais brilhante que Sirius B. A luminosidade de Sirius A é trinta e cinco vezes e meia a luminosidade do nosso sol. Isso faz com que seja um número muito quente. Podemos estar certos de que o nosso planeta não está tão perto disso. A “zona habitável” discutida no Capítulo Um é muito mais distante de Sirius do que do nosso sol.

Quanto ao tamanho real de Sirius A, o seu raio é um pouco mais de uma vez e meia o raio do Sol.

Isso significa que Sirius será menor no céu do que o nosso próprio sol, visto do planeta. Será muito menor, mas precisará ter aproximadamente a mesma quantidade de calor, o que não é muito difícil, considerando o quão terrivelmente quente e brilhante ele é.

Para nós, seria uma experiência estranha ver um corpo tão pequeno no céu gerando tanto calor e luz. Olhar directamente para ele provavelmente seria tão prejudicial quanto olhar para uma lâmpada de arco.

Mais uma razão para estar debaixo d’água, e não ser tentado.

O nosso planeta provavelmente será muito quente. Na verdade, ele provavelmente será coberto por uma camada vaporosa de nuvem em muitos ou em todos os momentos. Pode parecer algo como Vénus à distância, embora, é claro, Vénus não tenha temperaturas ou nuvens do tipo que as criaturas vivas possam achar agradáveis.

Parece importante manter a calma neste planeta provavelmente muito quente e cheio de vapor.

Portanto, é provável que a vida inteligente tenha evoluído como anfíbia e nunca tenha chegado a terra. Esses anfíbios podem facilmente habitar a superfície da água, é claro, pois precisariam respirar a atmosfera e não teriam brânquias como os peixes – eles provavelmente precisariam ser mamíferos de algum tipo para desenvolver os tamanhos cerebrais e outras características necessárias para a inteligência.

Eles provavelmente passariam muito tempo em pântanos e poderiam ter desenvolvido originalmente um estilo de vida indígena que envolvia o uso de juncos trançados para cabanas e transporte e, assim por diante. (Eles teriam há muito tempo passado esse estágio, é claro.

Mas talvez o seu primeiro estilo de vida, ao qual podem até olhar para trás com alguma nostalgia como “os bons velhos tempos de simplicidade e uma existência despreocupada”, fosse algo como o descrito por Wilfred Thesiger no seu livro The Marsh Arabs, na qual os habitantes do sul do Iraque são retratados nos pântanos do baixo Tigre e Eufrates (muito perto de onde se diz que os Oannes e os seus amigos passaram a maior parte do tempo, somos tentado a notar!).

Se você fosse uma dessas criaturas, seria uma mais valia como um golfinho com braços e mãos. Você deve, devido à sua natureza anfíbia, ter um respiradouro separado para respirar além da sua boca. Você seria capaz de prender a respiração por longos períodos e, quando você respirasse através do seu espiráculo, seria um suspiro e faria um pouco de barulho.

O seu respiradouro abriria e fecharia quase instantaneamente e a sua respiração tenderia a ser pouco frequente, mas alta e rápida. O orifício pode estar colocado de tal forma que consistisse de uma ou duas pequenas fendas, compridas e finas, logo abaixo das clavículas.

De fato, os Dogon têm uma tradição que o seu Nommos respirava através das suas clavículas.

Não podes ficar sem pele durante muito tempo.

Seria necessário humidade na sua pele depois de algumas horas no máximo. Quando a sua pele secasse estarias em completa agonia – pior do que um ser humano com queimaduras solares.

Visto que frequentarias muito a superfície da água, inevitavelmente haveria um contraste considerável entre a metade superior e a inferior do seu corpo.

A tradição que conhecemos da sereia expressa bem esse estado de coisas. As suas extremidades inferiores seriam muito parecidas com peixes, mas terias membros e dedos articulados na sua metade superior e sua pele seria mais capaz de resistir às radiações solares e, portanto, seria mais parecida com a de um mamífero terrestre.

Provavelmente estruturas cartilaginosas teriam evoluído na sua cabeça para rigidificar as suas características além da simples forma simplificada exigida para uma vida estritamente submarina e, haveria algo na parte superior do seu corpo que se parece ao cabelo – talvez como o cabelo das nossas próprias morsas.

Os seus dentes provavelmente seriam fracos comparados com os dos carnívoros ferozes, como os tubarões. Você provavelmente teria evoluído de criaturas mais pacíficas capazes de se alimentar de pequenos peixes em números consideráveis. Os seus ancestrais teriam corrido em bandos como os golfinhos fazem e você seria extremamente sociável porque evoluiu em escolas (bando).

A nudez é provavelmente o estado natural da sua espécie.

A superpopulação não é um dos seus problemas porque a maior parte do seu planeta é água e toda a água é habitável. Mesmo no planeta Terra, estima-se que os golfinhos superem os seres humanos em dois para um e, os oceanos dificilmente estão superlotados.

Como uma dessas criaturas, podes achar os seres humanos repulsivos por muitas razões. Os seus cabelos ásperos, peles secas, membros ósseos e, particularmente, os seus cheiros pungentes podem perturbá-lo muito. O seu suor não é continuamente lavado no sentido em que a sua pele é continuamente limpa pelo meio aquoso onde habitam.

E como um anfíbio, você tem um senso de olfacto e paladar extremamente bem desenvolvido. Você ‘sente’ cheiros ou rastos-substancias submarinas a enormes distâncias e, embora o seu olfacto não seja tão agudo, é suficientemente competente. Ao contrário de você, os seres humanos tendem a ter áreas dentro ou perto das suas habitações que cheiram a excremento e urina – locais para os quais habitualmente retornam para desempenhar essas funções.

Como um anfíbio cujos produtos residuais se dissipam na água, você acha tal ideia revoltante. Como podem os seres humanos voltar a esses mesmos odores dia após dia?

Uma das visões mais perturbadoras para eles é observar os seres humanos a caminharem.

Quando os humanos ficam parados com as pernas juntas, eles parecem quase normais. Mas então, de repente, elas ‘se dividem’ em dois e começam a andar, o que deixa-os um pouco tontos e incomodados. Isso faz com que eles se sintam nervosos com a ideia de quão terrível seria para eles se ‘se separassem’ e desse modo se tornassem uns aleijados na água.

Eles admiram a agilidade dos humanos em terra seca.

Eles podem subir árvores e penhascos, tudo isso é terrivelmente impressionante. Eles podem ir a uma grande velocidade em terra com o que eles chamam de “corrida”, eles ainda têm uma certa capacidade de saltar sobre obstáculos; eles não são tão rápidos em terra como você é na água, mas saem-se muito bem. Você tem dificuldade em vê-los às vezes porque, como você está num ambiente aquoso, a sua visão não é boa a longa distancia.

E os humanos, estando secos, não se destacam contra o seu passado tanto quanto você poderia desejar. Quando eles se movem, você pode detectar instantaneamente o movimento sem a definição óptica, mas é impossível que você se diferencie a olho nu com um humano estacionário que esteja aproximadamente camuflado e se misture com esse fundo. Você confia no seu olfacto, como um rinoceronte.

Mas quando o vento está contra você, você não tem esperança. Um humano pode facilmente iludir a sua percepção em terra firme se ele souber o que está a fazer e você não tem os seus óculos ou ajudas técnicas contigo.

Possuirias uma mente matemática extremamente ágil. Os seus ancestrais se desenvolveram a partir do estado primitivo, calculando os intrincados fenómenos astronómicos e radiações que caem no seu planeta sem o benefício de observações ópticas directas.

Os cérebros da sua espécie foram assim engendrados para conceber e resolver vastas abstracções intricadas. O seu poder de manter estruturas matemáticas complicadas suspensas em sua mente enquanto realiza operações matemáticas, é extraordinário.

Possuis uma faculdade conceitual e generalizadora fenomenal. Para ti, é fácil conceber forças invisíveis e até imperceptíveis, porque o seu ambiente diário é sugestivo e alusivo. Você prova e cheira o seu ambiente ao invés de vê-lo. Os seus poderes de telepatia podem ser extremamente altamente evoluídos – possivelmente uma característica da sua espécie desde a sua mais antiga história.

O alcance climático do seu planeta é maior até do que o da Terra porque não há calotas polares, devido a existência de mais radiação das duas ou três estrelas em seu sistema multi-solar. Os seus oceanos são ainda mais extensos, por não estarem presos nas calotas polares dos pólos.

O vôo espacial é menos desconfortável para você do que para os humanos, já que o estado de falta de peso é quase sempre aproximado debaixo d’água (na verdade, na Terra, os astronautas treinam debaixo d’água). A sua circulação sanguínea é, portanto, mais adequada para a condição de peso do que é o caso dos humanos e você não se importa em viver nos gigantescos tanques de água que orbitam o seu planeta, que constituem as suas muitas cidades espaciais satélites.

Não é tão difícil simular um ambiente aquoso no espaço quanto simular um ambiente de terra seca. Os seus desejos são poucos, a sua existência é simples. Você não come alimentos cozidos e você não tem fogões para aquecer.

Agricultura para você é principalmente a criação de pequenos peixes deliciosos e as refeições são uma aventura visto que vocês amam uma boa perseguição e a satisfação de caçar a sua comida.

O jantar é um desporto familiar.

Os anfíbios devem ter um nome e, o nome Dogon para eles dos “Monitores” pode ser o melhor para usar. ‘Monitor’ é mais específico do que ‘Instrutor’ e ‘Mestres da Água’ é muito longo. Não adianta usar o eufemismo “Annedoti”, sabendo que significa “os repulsivos”.

Um termo mais genérico e neutro, suponho, seria simplesmente os “Sirianos”.

Se alguma vez entrarmos em contacto com eles novamente, eles provavelmente serão chamados de “Sirianos” oficialmente e, a sua civilização será a “Civilização Siriana”.

Fonte:

https://www.bibliotecapleyades.net/vida_alien/esp_vida_alien_18zo.htm

Leitura Psíquica Com Graciano Constantino

Para mais informações e marcações clique AQUI

c700x420.v1

Graciano..jpg Graciano Constantino oferece tratamentos de Cura Energética. O tratamento pode ser feito pessoalmente ou a distância, normalmente através do Skype ou se preferir basta simplesmente uma foto recente de modo a facilitar a conexão. Actualmente vivendo em Turim – Itália, Graciano dedica uma parte do seu tempo na arte da cura, trabalhando com plantas e também animais. Saiba mais sobre Graciano Aqui

Para saber mais sobre a técnica visite: Cura de Pura Energia

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: