Posts recentes

Ficou Mais Difícil Comprar Um Livro Odioso E Cheio De Conspiração E Isso Não É Motivo Para Comemoração.

ROBO

Eu bani um livro. Ou pelo menos ajudei a proibi-lo, o que torna a Banned Books Week um pouco estranha para mim este ano. É como comemorar o Dia da Árvore, cortando uma árvore.

E acabei por censurar inocentemente. Quase por acidente. Há duas semanas, um leitor enviou uma foto que tirou numa loja Barnes & Noble em Arlington, Virgínia. A foto mostrava uma tabela de promoção: “Novos lançamentos em brochura com 20% de desconto”. Lá, entre as cópias de “The Paris Orphan” “The Nightjar” e “The Read-Aloud Handbook”, estava o livro “The Trigger: A Mentira Que Mudou O Mundo – de David Icke: Quem Realmente Fez Isso E Por quê“.

Você pode não reconhecer o nome David Icke se não passar muito tempo deslizando pelos cantos anti-semitas da Internet ou ouvindo Alice Walker. Icke é um ex-comentarista desportivo britânico que afirmou no início dos anos 90 que é filho de Deus. Logo depois disso, ele começou a parecer estranho. Ele publicou mais de uma dúzia de livros de conspiração “alucinantes” que explicam tudo, incluindo como os répteis interdimensionais controlam o planeta Terra.

The Trigger“, o novo livro auto-publicado de Icke, tem 900 páginas de vómito. O livro alega que a explicação oficial dos ataques de 11 de Setembro de 2001 é uma mentira para encobrir o “envolvimento maciço e central do 11 de Setembro pelo governo israelita, militares e agentes de inteligência”. Isso é consistente com as alegações de que o” satânico” O Mossad teve as suas mãos no tráfico internacional de drogas e no assassinato do presidente John F. Kennedy. Naturalmente, Icke também é aluno do clássico anti-semita “Os Protocolos dos Anciãos de Sião”.

Dado esse conteúdo, achei estranho ver a Barnes & Noble promovendo “The Trigger“, então enviei uma nota para o escritório corporativo da B&N perguntando sobre isso. Um dia depois, um porta-voz me disse: “Este livro é vendido por um distribuidor independente e foi encomendado para uma subsecção chamada” Conspirações “em algumas lojas. Depois de ser alertado sobre o conteúdo, estamos a remover o livro de todas as lojas.”

Agora nem sequer consegues encontrar o “The Trigger” no site da Barnes & Noble, embora muitos outros livros execráveis de Icke ainda estejam disponíveis lá.

Questionado de maneira mais ampla sobre o processo de selecção da B&N envolvendo livros de supremacistas brancos, anti-semitas e outros activistas do ódio, o porta-voz acrescentou: “Trabalhamos para nunca permitir conteúdo com discurso de ódio nas nossas lojas e, nos casos em que algo passa despercebido, tomamos medidas rápidas e resolutas para removê-lo.”

Isso soa maravilhosamente decisivo, mas quanto mais penso sobre essa mensagem, mais encontro o meu absolutismo da Primeira Emenda perseguindo a sua cauda.

A maior rede de livrarias físicas do país “nunca permite conteúdo com discurso de ódio”? Espero – e quero – uma livraria independente para curar a sua colecção de títulos com cuidado. Mas a ideia de uma grande corporação enviando livros para a trituradora levanta diferentes precedentes históricos. Obviamente, a B&N tem todo o direito de levar os livros que quiser, mas como a empresa determinará o que é discurso de ódio? E será que é “rápido e resoluto” a maneira correta de decidir quais livros devem ser removidos?

Muitos de nós diriam que foi um erro, mas a ofensa à liberdade de expressão é sempre óbvia quando apreciamos o título censurado. Quanto estamos dispostos a lutar pelo princípio da liberdade de expressão quando pensamos que o livro censurado é abominável? É a versão da livraria de “Devem os neo-nazistas poder marchar através de Skokie?”

Esta semana, como acontece todos os anos, a American Library Association está a promover a Banned Books Week para aumentar a conscientização sobre ameaças contra a nossa liberdade de ler o que quisermos. O ponto central dessa campanha é a lista anual dos 10 livros mais desafiados. A lista – 11 este ano – é uma coleção de títulos amados para crianças e jovens adultos. Anos atrás, continha livros como “Harry Potter” (bruxaria!), “Huck Finn” (idioma!) E “In the Night Kitchen” (nudez!). Ultimamente, porém, a lista é dominada por livros que censuram o retrato positivo dos relacionamentos LGBTQIA +, como “Two Boys Kissing”, de David Levithan. As livrarias de todo o país estão a defender esses títulos em exibições especiais da Semana de Livros Proibidos. Espero que as crianças leiam todos esses livros, mas não posso deixar de notar que nenhum gosto liberal foi prejudicado na elaboração desta lista. Não nos custa nada celebrar esses livros proibidos. Toda a campanha é pungente de auto-satisfação, uma chance para nós liberais esclarecidos nos lembrarmos que somos combatentes da liberdade.

O que, porém, dos livros detestáveis – como “The Trigger” – foram removidos das lojas depois que alguém se opõe? Não haverá protestos nacionais da Primeira Emenda. Barnes and Nobles não serão piquetes de activistas que agitam bandeiras “Fahrenheit 451”.

Talvez seja assim que deve ser. No fim das contas, pergunto-me se realmente precisamos tolerar aberrações como Icke para manter uma troca de ideias livre e aberta? Não se pode confiar em pessoas inteligentes para distinguir entre livros que devem ser levados a sério e livros que devem ser consignados às chamas? Talvez a minha ansiedade na Primeira Emenda seja um luxo oferecido apenas aos homens WASPs. Se a minha vida estivesse a ser ameaçada activamente pelo discurso de ódio, eu não consideraria isso com tanta objectividade legalista.

Mas foi a Primeira Emenda que permitiu vozes reprimidas e proibidas que agora comemoramos falar neste país. Diluir esse princípio, assegurando a nós mesmos que podemos fazer julgamentos justos sobre quem deve ter permissão para vender os seus livros, pode ser um passo perigoso para trás. Se não estamos dispostos a confiar na sabedoria das multidões, que esperança tem a democracia? Sob o domínio da brandura corporativa policiada por uma nuvem de Fúrias nas mídias sociais, um dia poderíamos nos encontrar a navegar nas prateleiras totalmente higienizadas, com a garantia de não ofender as sensibilidades de qualquer leitor.

Talvez o melhor que possamos esperar seja um desconfortável equilíbrio de tolerância e aversão, enquanto deixamos o mercado confuso de ideias de separar o joio do trigo. Seria maravilhoso se os livros horríveis de David Icke não existissem, mas eles existem. E nada o desacreditará mais efectivamente do que ler um deles.

Fonte:

https://www.washingtonpost.com/entertainment/books/a-hateful-conspiracy-filled-book-just-got-harder-to-buy-thats-no-cause-for-celebration/2019/09/23/9b124716-ddf9-11e9-8dc8-498eabc129a0_story.html

Leitura Psíquica Com Graciano Constantino 

Para mais informações e marcações clique AQUI

c700x420.v1

Graciano..jpg Graciano Constantino oferece tratamentos de Cura Energética. O tratamento pode ser feito pessoalmente ou a distância, normalmente através do Skype ou se preferir basta simplesmente uma foto recente de modo a facilitar a conexão. Actualmente vivendo em Turim – Itália, Graciano dedica uma parte do seu tempo na arte da cura, trabalhando com plantas e também animais. Saiba mais sobre Graciano Aqui

Para saber mais sobre a técnica visite: Cura de Pura Energia

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: