Posts recentes

Banir David Icke É ERRADO E, Na Verdade, Reforça O Seu Argumento De Que Caminhamos Em Direcção À DITADURA

icke

A proibição do ex-apresentador de TV do Facebook e do YouTube é um ataque à liberdade de expressão que precisa ser fortemente resistida, independentemente das suas opiniões sobre as teorias de Icke sobre um governo mundial.

Tenho idade suficiente para lembrar quando David Icke era apresentador de desporto na televisão. Nos últimos trinta e cinco anos, ele expôs as suas ideias sobre como ele acha que o mundo funciona – e é justo dizer que ele causou muita controvérsia. Algumas pessoas riram dele, algumas concordaram com ele, outras eram indiferentes. Ninguém fez campanha para que ele fosse banido.

Recentemente, porém, isso mudou, Icke foi acusado de “pregar o ódio” e de vender “teorias de conspiração sem fundamento”. E agora ele é acusado de promover desinformação “tóxica” e “perigosa” sobre o Covid-19.

Escrevendo no Observer em 25 de abril, Nick Cohen repreendeu as plataformas de rede social por não proibir Icke.

Menos de 20 minutos depois que ele twittou o seu artigo, o “misterioso editor da wikipedia” Andrew Philip Cross adicionou o artigo à página wiki de Icke.

E, apenas uma semana depois, o Facebook e o YouTube tinham agradecido, excluindo Icke e todo o seu trabalho.

Cohen defendeu que havia um argumento “liberal” para proibir Icke. Mas não há e é extremamente Orwelliano sugerir que sim. Ninguém é forçado a ouvir Icke ou a ler os seus livros. Se Cohen discordar das posições de Icke, ele deve desafiá-lo num debate público. Se o que Icke diz é obviamente óbvio, o colunista do Observer deve ser capaz de limpar o chão com muita facilidade. Em vez disso, ele parece querer que ele seja silenciado e, isso é perturbador.

O silenciamento de pontos de vista com os quais discordamos nos coloca no caminho da tirania. No capítulo dois, em seu clássico texto de 1859 “On Liberty”, John Stuart Mill explicou por que silenciar opiniões divergentes está errado.

Em primeiro lugar, a opinião ameaçada de supressão pode ser verdadeira. “Aqueles que desejam suprimi-lo, é claro, negam a sua verdade; mas eles não são infalíveis. Eles não têm autoridade para decidir a questão por toda a humanidade e excluem todas as outras pessoas dos meios de julgamento”, escreveu Mill. É pertinente aqui nos lembrar que Cohen, que quer suprimir as opiniões de Icke e, define-se como um árbitro de quais pontos de vista devem ou não ser ouvidos nas principais plataformas de rede social, era um proeminente defensor da Guerra do Iraque.

Que maior – e mais perigosa – “teoria da conspiração” existia além daquela que alegava que o Iraque tinha que ser invadido porque possuía armas de destruição em massa? Mas será que há alguém a pedir que os promotores da Guerra do Iraque sejam proibidos? Não, é claro que não, eles são os que estão a perseguir Icke.

Mill continua: “Recusar uma audiência a uma opinião, porque eles têm certeza de que é falsa, é assumir que a sua certeza é a mesma coisa que uma certeza absoluta. Todo silêncio da discussão é uma suposição de infalibilidade. Pode-se deixar que a sua condenação baseie-se nesse argumento comum e, não no pior por ser comum.”

Estamos absolutamente certos de que todas as opiniões de Icke são falsas? Talvez algumas sejam, mas outras não. É a isso que Mill refere-se na sua segunda razão pela qual as opiniões não devem ser suprimidas. Embora a opinião silenciada seja um erro, ela pode conter e, muito comumente, uma porção da verdade; e como a opinião geral ou predominante sobre qualquer objecto raramente ou nunca é a verdade completa, é somente pela colisão de opiniões adversas que o restante da verdade tem alguma chance de ser fornecida.”

Mesmo que a opinião seja toda a verdade, contestar “vigorosamente e sinceramente” também é positivo para a liberdade, pois ajuda a garantir que a opinião seja mantida racionalmente e não apenas como preconceito, só porque muitos dzem que é verdade. Alguém poderia imaginar que Mill daria pouca atenção àqueles que arrogantemente descartam qualquer visão com a qual eles não concordam como “uma teoria da conspiração” e denunciam todas as vozes dissidentes como “excêntricas”.

John Stuart Mill era um filósofo britânico e as suas ideias, sem dúvida, contribuíram para o porquê da Grã-Bretanha ser um país onde a liberdade de expressão eram mais respeitadas do que em muitos outros lugares. Mas, infelizmente, esse não é mais o caso hoje.

Os neocons de esquerda e os “centristas” extremos estão na vanguarda da nova campanha de censura iliberal. Cohen já atacou a RT e o que chamou de “espectadores idiotas”.

Em 2011, ele escreveu uma artigo intitulado ‘Quem nos livrará de meios de comunicação de ódio como a Press TV?’, Um mês depois a Ofcom removeu a licença da emissora da Press TV de transmitir no Reino Unido.

Aqueles que têm como alvo David Icke representam um perigo maior para a sociedade do que Icke. O “ódio” vem menos daqueles que estão a ser atacados, do que daqueles que estão a atacar.

De qualquer forma, as leis do “discurso de ódio” – com a natureza subjetiva do que constitui a “ofensa” – são fundamentalmente iliberais, pois estão a ser usadas, cada vez mais, para sufocar o debate, se alguém diz algo que você acha odioso, desafie-o num debate.

Não concordo muito com o que Katie Hopkins disse, mas a sua suspensão do Twitter no início deste ano, aplaudida por aqueles que opõem-se contra ela, estava errada. Ela tem exactamente o mesmo direito de expressar as suas opiniões assim como eu, Nick Cohen ou qualquer outra pessoa. O argumento de que as principais empresas de rede social são corporações privadas e, portanto, podem banir quem quiser, é falso. A participação de mercado do Facebook, YouTube e Twitter torna-os de fato monopólios eficazes e um “Recanto do Orador” on-line. As pessoas que passam muito tempo a tentar banir as pessoas que elas não gostam dessas plataformas sabem o quão importante essas plataformas realmente são.

De certo modo, não se trata realmente de David Icke, trata-se de tentativas de policiar o debate e limitar os parâmetros de quais opiniões podem ser ouvidas publicamente e quais não. Num mercado de ideias, deve ser o público – e somente o público – quem decide quais ideias “comprar” e quais ideias deixar em paz. Ninguém é forçado a comprar nada neste mercado, mas igualmente ninguém é informado: “Você é banido de ter uma barraca porque estás a tentar vender ideias “erradas”.

Fiz questão de assistir a entrevista ao vivo de David Icke no London Real ontem, precisamente por causa das tentativas de o banirem. Muitas pessoas parecem ter feito o mesmo.

Se queremos lutar contra os novos censores, precisamos avançar e acordar com o que está a acontecer antes que seja tarde demais. Pode ser David Icke hoje, mas que voz discordante será amanhã?

Fonte:

https://www.rt.com/op-ed/487741-david-icke-free-speech-banning/

Leitura Psíquica Com Graciano Constantino

Para mais informações e marcações clique AQUI

c700x420.v1

Graciano..jpg Graciano Constantino oferece tratamentos de Cura Energética. O tratamento pode ser feito pessoalmente ou a distância, normalmente através do Skype ou se preferir basta simplesmente uma foto recente de modo a facilitar a conexão. Actualmente vivendo em Turim – Itália, Graciano dedica uma parte do seu tempo na arte da cura, trabalhando com plantas e também animais. Saiba mais sobre Graciano Aqui

Para saber mais sobre a técnica visite: Cura de Pura Energia

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: