Posts recentes

O Coronavírus 2019 Existe?

coronavirus04_01_small

O susto do coronavírus que emanou de Wuhan, China, em Dezembro de 2019, é uma epidemia de testes. Não há provas de que um vírus esteja a ser detectado pelo teste e não há absolutamente nenhuma preocupação sobre se existe um número significativo de falsos positivos no teste. O que está a ser publicado em revistas médicas não é ciência, todo artigo tem o objectivo de aumentar o pânico, interpretando apenas os dados de modo a beneficiar a teoria viral, mesmo quando a informação é confusa ou contraditória, em outras palavras, os documentos médicos são propaganda.

É também uma epidemia por definição, a definição, que assume perfeição de teste, não possui a válvula de segurança que a definição da SARS tinha, portanto pode continuar até que as autoridades de saúde pública alterem a definição ou percebam que o teste não é confiável.

O que aprendi ao estudar a SARS, o grande susto anterior do coronavírus, após a Epidemia de 2003, foi que ninguém tinha provado a existência de um coronavírus, muito menos patogénico. Havia evidências contra a transmissão e, posteriormente, avaliações negativas dos tratamentos extremos aos quais os pacientes foram submetidos, o medicamento antiviral analógico nucleosídeo Ribavirina, corticosteróides em altas doses, assistência invasiva respiratória e, às vezes, oseltamivir (Tamiflu). Isso está documentado no rascunho do meu livro (na maioria completo) que é possível ler Aqui:

O mundo está a sofrer de uma ilusão maciça baseada na crença de que um teste para O ARN é um teste para um novo vírus mortal, um vírus que emergiu de morcegos selvagens na China, apoiada na suposição ocidental de que o povo chinês come qualquer coisa que se move. Se o vírus existe, deve ser possível purificar as partículas virais.

A partir  das partículas ARN pode ser extraído e deve corresponder ao ARN usado neste teste. Até que isso seja feito, é possível que o ARN venha de outra fonte, que poderiam ser as células do paciente, bactérias, fungos etc. Pode haver associação com níveis elevados de ARN e doenças, mas isso não prova que o ARN seja proveniente de um vírus. Sem purificação e caracterização de partículas virais, não se pode aceitar que um teste de ARN seja a prova de que existe um vírus.

Essa nova e estranha doença, oficialmente chamada COVID-19, não apresenta sintomas próprios. A febre e a tosse, anteriormente atribuídas a inúmeros vírus e bactérias, além de contaminantes ambientais, são mais comuns, bem como imagens pulmonares anormais, apesar de serem encontrados em pessoas saudáveis. No entanto, apesar de que apenas uma minoria das pessoas testadas apresentarão resultados positivos (geralmente menores que 5%) esta doença é facilmente reconhecida. Se esse era realmente o caso, a maioria das pessoas encaminhadas para testes pelos médicos deviam ser todos positivos.

O teste do coronavírus é baseado na PCR, uma técnica de fabricação. Quando usado como teste não produz um resultado positivo/negativo, mas simplesmente o número de ciclos necessário para detectar material genético. A divisão entre positivo e negativo é um número arbitrário de ciclos escolhido pelos testadores. Se positivo significa infectado e negativo significa não infectado, há casos de pessoas que vão de infectadas a não infectadas e novamente infectadas em alguns dias.

Muitas pessoas dizem que é melhor prevenir do que remediar. É melhor que algumas pessoas estejam em quarentena que na verdade não estão infectadas, do que correr o risco de uma pandemia. Mas uma vez que as pessoas testam positivos, elas provavelmente serão tratadas, com tratamentos semelhantes à SARS. Os médicos estão a enfrentar o que eles acreditam ser um tratamento mortal para o vírus, para o futuro sintomas, não pelo que vêem hoje. Isso leva ao uso de oxigenação invasiva, altas doses de corticosteróides e medicamentos antivirais. Nesse caso, algumas das populações diagnosticadas (por exemplo, na China) são mais velhas e mais doentes do que a população geral e muito menos capaz de suportar um tratamento agressivo. Depois do pânico da SARS ter diminuído, os médicos revisaram as evidências e mostraram que esses tratamentos eram muitas vezes ineficazes e todos apresentavam efeitos colaterais graves, tais como déficit neurológico, substituições articulares, cicatrizes, dor e doença hepática.

Existência Do Vírus

Os cientistas estão a detectar um novo ARN em vários pacientes com condições semelhantes à influenza ou pneumonia e estão a assumir que a detecção do ARN (que acredita-se estar envolvido em proteínas para formar um vírus ARN, pois é isso que os coronavírus são) é equivalente ao isolamento do vírus. Não é, e um dos cientistas dos grupos foi honesto o suficiente para admitir isso:

“Não realizamos testes para detectar vírus infeccioso no sangue”

Mas, apesar dessa admissão, anteriormente no artigo eles referiam-se repetidamente aos 41 casos (de 59 casos semelhantes) que deram positivo para esse ARN como “41 pacientes… confirmados infectados com 2019-nCoV”.

Outro artigo admitiu completamente que:

“O nosso estudo não cumpre os postulados de Koch”

Os postulados de Koch, foram anunciados pela primeira vez pelo grande bacteriologista alemão Robert Koch no final de 1800, pode simplesmente ser declarado como:

  • Purifique o patógeno (por exemplo, vírus) de muitos casos com uma doença específica.
  • Exponha animais suscetíveis (obviamente não humanos) ao patógeno.
  • Verifique se é produzida a mesma doença.
  • Alguns acrescentam que você também deve purificar novamente o patógeno, apenas para ter certeza de que ele realmente está a criar a doença.

O famoso virologista Thomas Rivers disse num discurso de 1936:

“É óbvio que os postulados não foram satisfeitos em doenças virais”.

Isso foi há muito tempo, mas o mesmo problema ainda contínua. Nenhum dos artigos mencionados neste artigo tentou sequer purificar o vírus. E a palavra “isolamento” foi tão criticada por virologistas que deixou de ter qualquer significado (por exemplo, adicionar materiais impuros numa cultura de células e ver a morte celular é ‘isolamento’).

Não há como saber se o ARN usado no novo teste de PCR para o coronavírus é encontrado nas partículas vistas na micrografia electrónica. Não há conexão entre o teste e as partículas e, nenhuma prova de que as partículas são virais.

Uma situação semelhante foi revelada em Março de 1997 em relação ao HIV, quando dois artigos publicado na mesma edição da revista “Virology” revelou que a grande maioria do que anteriormente havia sido chamado de “HIV puro” eram impurezas que claramente não eram HIV, e a mistura também incluiu microvesículas que se parecem muito com o HIV sob um microscópio electrónico, mas são de origem celular.

Uma Nova Doença?

O COVID-19, para usar o seu nome formal, é descrito como uma nova doença distinta. Mas claramente não é. Não há sintomas distintos, para começar. A referência [2] mostrou entre 41 casos iniciais, os únicos sintomas encontrados em mais da metade foram febre (98%) e tosse (76%). 98% tinham imagens de tomografia computadorizada que mostrava problemas nos dois pulmões (embora seja possível fazer sombra na tomografia computadorizada sem sintomas) a alta percentagem de casos com febre e sombreamento nos dois pulmões é um artefacto da definição da doença, as evidências de febre e “radiográfica de pneumonia” são dois dos critérios de diagnóstico para um provável caso.

A baixa taxa de pessoas positivas no teste de coronavírus é mais uma evidência de que não há sintomas óbvios. Se houvesse sintomas reconhecíveis, os médicos deviam ter uma chance maior que 4% de adivinhar quem tem o vírus. Enquanto algumas pessoas podem ter sido testadas, sem sintomas, porque estavam num vôo ou cruzeiro. Alguns países fora da China estão a encorajar as pessoas com sintomas vagos para fazerem check-in num hospital, de modo que cada vez mais pessoas tenham sintomas da gripe ou pneumonia e, ainda estão a testar negativos em números altos.

Por exemplo, em 9 de Março, a Coreia tinha encontrado 7.382 casos positivos em 179.160 pessoas testadas (4,1%). No estado de Washington, onde parecem relutantes em testar alguém, apenas 1 dos 27 testados até 24 de Fevereiro apresentou resultado positivo (3,7%) Talvez se tivessem testado todos os 438 que estavam em quarentena, a epidemia teria explodido de 1 para cerca de 16 casos (3,7% de 438). Até Março 9, 1.246 foram realizados 136 testes e encontrados positivos (11%). Obviamente, em nenhum local os médicos podem reconhecer os casos clinicamente.

Teste

Supondo, por um momento, a existência de um novo coronavírus, o que nos diria um teste de coronavírus nesta fase? Ou melhor, o que isso não nos diz?

  • Sem purificação e exposição de animais a partículas virais, não sabemos se o vírus é patogénico (causador de doença). Poderia ser uma infecção oportunista (invade pessoas não saudáveis ​​com sistema imunitário enfraquecido) ou um vírus do passageiro (transportado por comportamentos de risco, como por exemplo comer um animal portador de um vírus).
  • Não sabemos a taxa de falsos positivos do teste sem testes generalizados de pessoas saudáveis ​​longe de lugares onde as pessoas estão a ser diagnosticadas com essa possível nova doença. Se o teste for 99% exacto, numa cidade de mais de 10 milhões, como Wuhan, haveria cerca de 100.000 falsos positivos (1%). É fácil gerar uma falsa epidemia se você continuar a testar dessa forma. E é pior se você restringir o teste a pessoas com sintomas, porque as falhas no teste não serão reveladas por muito mais tempo.
  • Se alguém estiver doente, não há provas de que algum ou todos os seus sintomas sejam devidos ao vírus, mesmo que este esteja presente. Algumas pessoas podem estar imunes, outras podem ter alguns sintomas causados ​​pelo vírus, mas outros causados ​​pelos medicamentos são dados por condições de saúde pré-existentes e assim por diante.

  • Não sabemos se as pessoas que testam negativo estão ou não infectadas, principalmente quando elas aparecem com sintomas semelhantes. Por exemplo, em [2], de 59 pacientes, apenas 41 tiveram resultado positivo, mas os pesquisadores claramente não tinham certeza se os 18 restantes foram ou não infectados. Se eles realmente não foram infectados, eles dão peso ao coronavírus, não sendo a causa da sua doença, pois apresentavam sintomas indistinguíveis dos 41 positivos.

Testar num estágio demasiado inicial do conhecimento é incrivelmente perigoso. Espalha o pânico, pode levar as pessoas a medicamentos perigosos, outras circunstâncias do seu tratamento pode ser física e psicologicamente prejudicial (tais como intubação e isolamento, e até mesmo todos os médicos e enfermeiros em trajes especiais enfatizam quão mortalmente doente você está).

Comprovando A Transmissão

É impossível, na maioria dos casos, provar que alguém teve contacto com outro caso de coronavírus, mesmo que tivessem viajado para Wuhan e visitado o mercado de Huanan. Na melhor das hipóteses, seria possível que alguém estivesse nas proximidades de alguém que testou positivo mais cedo, mas isso não constitui prova de que eles foram expostos ao vírus, muito menos que tenha sido aquela pessoa que as infectou. Na maioria dos casos, mesmo que alguém tivesse estado em Wuhan, não haveria evidências de que uma pessoa esteve em contacto com outra vítima.

Fundamentalmente, essa crença de que é o contacto que causa testes positivos é necessária para preservar o paradigma infeccioso. Portanto, a menor evidência de associação entre um caso antigo e um novo (como estar na mesma cidade no mesmo tempo) é tomada como prova de transmissão, quando obviamente não é.

Conclusões

O pânico do coronavírus é apenas isso, um pânico irracional, baseado num teste de ARN não comprovado, que nunca foi conectado a um vírus, e que não estará conectado a um vírus, a menos que o vírus seja purificado. Além disso, mesmo que o teste possa detectar um novo vírus a presença de um vírus não prova que é a causa dos sintomas graves que algumas pessoas que testam positivo (mas nem todas que testam positivo). Por fim, mesmo que o teste possa detectar um vírus e for perigoso, não sabemos qual é a taxa de falsos positivos. E mesmo uma taxa de falso positivo de 1% poderia produzir 100.000 resultados falso-positivos numa cidade do tamanho de Wuhan e pode significar que uma fracção significativa dos resultados positivos encontrados são falsos positivos.

O uso de medicamentos poderosos porque os médicos estão convencidos de que têm um vírus particularmente potente nas suas mãos, especialmente em pessoas mais velhas, com condições de saúde, provavelmente levará a muitas mortes, tal como acontece com a SARS.

Há muito pouca ciência a acontecer, há uma pressa em explicar tudo o que está a acontecer de maneira que não se questione o paradigma viral, não questionar a pertinência dos resultados dos testes e promover o uso de medicamentos antivirais não testados. E, com tempo suficiente, será desenvolvida uma vacina e, para alguns dos países traumatizados, pode tornar-se obrigatório, mesmo se for desenvolvido depois da epidemia desaparecer, o que prova que será impossível reduzir o risco de desenvolver teste positivo.

Fonte:

http://www.bibliotecapleyades.net/archivos_pdf/coronavirus-exist.pdf

Leitura Psíquica Com Graciano Constantino

Para mais informações e marcações clique AQUI

c700x420.v1

Graciano..jpg Graciano Constantino oferece tratamentos de Cura Energética. O tratamento pode ser feito pessoalmente ou a distância, normalmente através do Skype ou se preferir basta simplesmente uma foto recente de modo a facilitar a conexão. Actualmente vivendo em Turim – Itália, Graciano dedica uma parte do seu tempo na arte da cura, trabalhando com plantas e também animais. Saiba mais sobre Graciano Aqui

Para saber mais sobre a técnica visite: Cura de Pura Energia

1 Comment on O Coronavírus 2019 Existe?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: