Posts recentes

2 Milhões De Vidas Árabes Não Importam

black lives

A hipocrisia do movimento Black Lives Matter é espantosa. O BLM e os seus seguidores vaiam aqueles que insistem que todas as vidas são importantes, independentemente da raça. No universo BLM, a pigmentação da pele é determinante, assim como é para todos os racistas.

Enquanto o BLM e os activistas de identidade residem à moda do TOC contra polícias racistas e “privilégio branco”, eles ignoram completamente o assassinato em massa organizado de pessoas de pele negra e castanha por um governo que agora “ajoelha-se” a um ex-criminoso, beatificado como um santo pelo estado e os seus meios de propaganda. Os responsáveis ​​pelo assassinato de George Floyd, sem dúvida, passarão anos atrás das grades, como deveriam, mas isso não reprimirá a indignação e a violência cometida em seu nome.

Tão desequilibrado e cintilante é o actual movimento obcecado pela identidade, que falha em abordar um adversário muito mais mortal e cruel – o estado neoliberal.

O assassinato organizado de mais de dois milhões de árabes no Iraque, Síria e Líbia – mais de um milhão no Iraque, 600.000 na Síria e 30.000 na Líbia – nem regista-se no BLM e no radar ideológico de identidade.

Barack Obama sufocou o movimento anti-guerra que tinha-se unido em torno das invasões neoconservadoras de Bush no Afeganistão e no Iraque, revelando assim que grande parte do activismo político baseava-se em linhas políticas do establishment partidário. Activistas anti-guerra da era da Guerra do Vietname responsabilizaram os Republicanos e Democratas por crimes de guerra. Eisenhower, JFK, Johnson, Nixon – Democratas e Republicanos – são responsáveis ​​pelo assassinato de mais de 3 milhões de vietnamitas, cambojanos e laocianos.

Obama e a sua secretária de Estado, Hillary Clinton, são directamente responsáveis ​​por armar mercenários jihadistas assassinos na Síria e as suas contrapartes na Líbia. Este último resultou em racismo vicioso dos líbios árabes contra os trabalhadores migrantes e refugiados negros africanos.

Na Síria, a CIA de Obama financiou e armou mercenários num esforço para derrubar o governo de Bashar al-Assad. O esforço ilegal das forças armadas dos EUA para derrotar o Estado Islâmico na Síria – uma operação psywar gerada pelo Pentágono no Iraque ocupado – resultou em mais desestabilização da Síria e matou dezenas de milhares de civis inocentes.

Além disso, o BLM e a suposta esquerda na América não apontaram o óbvio – polícias psicopatas são treinados, armados (com tanques e outras armas de destruição em massa) e habilitados pelo Pentágono. Por que o Pentágono não é um local de protesto, como foi durante a Guerra do Vietname?

A elite neoliberal está obcecada em derrubar e destruir as nações que resistem à dominação do FMI e do Banco Mundial e os esquemas de “ajuste estrutural” que os bancos e organizações globalistas pressionam (a mineração e a privatização de serviços públicos).

A identidade não é uma consideração ou precursor – todos os que resistem, independentemente da cor e etnia da pele, devem ser caçados e brutalmente assassinados, como Muammar Gaddafi foi pelo crime de anunciar que planeava deixar de vender petróleo em dólares dos EUA e estabelecer um Dinar de Ouro Africano.

O ditador do Iraque, Saddam Hussein, não foi deposto e executado por ameaçar os EUA com armas de destruição em massa, como alegam as maquinações ridículas dos neocons de Bush. Saddam, um ex-agente da CIA numa conspiração para assassinar o general Abd al-Karim Qasim em 1959, era um activo confiável até que ele saiu dos limites, assim como outro activo da CIA, Manuel Noriega, do Panamá.

Os Israelitas, com considerável influência política sobre o Congresso e a Casa Branca, também exigiram a retirada de Saddam Hussein, principalmente pelo seu apoio aos Palestinos, mas também porque uma nação com um pan-árabe na liderança era inaceitável.

Da mesma forma a Síria. O regime hereditário da família al-Assad e do partido Ba’ath divulgou uma visão de um mundo pan-árabe e isso era inaceitável para Israel e os Estados Unidos.

A guerra secreta e ilegal dos EUA e Israel na Síria não tem nada a ver com os direitos humanos, como é defendido. O objectivo é destruir qualquer resistência ao expansionismo Israelita, transformar o pan-arabismo num movimento islâmico que pode ser mais facilmente radicalizado e, portanto, difamado e, balcanizar o Médio Oriente segundo linhas étnicas e religiosas, percebendo assim as três grandes geoestratégia imperativas imperiais de Zbigniew Brzezinski…. para evitar conluios e manter a dependência de segurança entre os vassalos, manter tributários flexíveis e protegidos e impedir que os bárbaros se juntem.”

Somente “bárbaros” politicamente convenientes e exploráveis ​​(como são considerados pela elite dominante, sem falar na retórica dissimulada) poderão protestar e exigir justiça. O racismo BLM, a demanda absurda que os brancos se prostram na submissão racial e os saques e incêndios criminais de cidades em nome de George Floyd não dispararam sinais de alarme no Conselho de Relações Exteriores, Comissão Trilateral, Federal Reserve e os agradecimentos institucionais. Esse deve ser o foco do protesto, não os departamentos de polícia militarizados pelo governo federal. O Departamento de Polícia de Milwaukee não é o chefe da hidra. O governo federal e os seus superintendentes corporativos e bancários são os verdadeiros fornecedores de conflitos violentos e polarização política.

O BLM representa a vanguarda de um esforço para dividir os Americanos em linhas raciais e políticas, mantendo assim os bárbaros baseados em raça e identidade longe de questões críticas de importância para a elite, mais crucialmente uma mão livre para pilhar e saquear os recursos naturais, minerais, petróleo bruto e empobrecer bilhões de pessoas que a elite dominante considera comedores improdutivos inúteis e um obstáculo ao esforço de dominar, roubar e matar.

O assassinato de milhões no Médio Oriente, Ásia, América do Sul e Central nas últimas décadas por uma elite psicopática e os seus mercenários corporativos não figura na equação.

É uma nota de rodapé histórica irrelevante, se isso, para um movimento de identidade que não ameaça a elite e a sua classe política. É triste dizer que o BLM serve à elite ignorando ou permanecendo ignorante ao problema principal – predação sem limites por um projecto criminoso neoliberal que considera todos – preto, branco, amarelo, castanho – como servos exploráveis ​​e dispensáveis.

Fonte:

2 Million Arab Lives Don’t Matter

Leitura Psíquica Com Graciano Constantino

Para mais informações e marcações clique AQUI

c700x420.v1

Graciano..jpg Graciano Constantino oferece tratamentos de Cura Energética. O tratamento pode ser feito pessoalmente ou a distância, normalmente através do Skype ou se preferir basta simplesmente uma foto recente de modo a facilitar a conexão. Actualmente vivendo em Turim – Itália, Graciano dedica uma parte do seu tempo na arte da cura, trabalhando com plantas e também animais. Saiba mais sobre Graciano Aqui

Para saber mais sobre a técnica visite: Cura de Pura Energia

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: